Crise hidrica em São Paulo
Racionamento de água no interior Paulista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
falta_de_agua_2
Racionamento de água | Foto: Repordução

A água é um elemento indispensável à vida, pois sem ela a sobrevivência da espécie humana estaria ameaçada, porém, ela não vem sendo tratada de forma adequada pela administração publica de municípios do interior de São Paulo e pelo governo estadual. Segundo informações da imprensa burguesa, o abastecimento de água em alguns municípios do interior paulista está  completamente ameaçado e fala-se até em racionamento da distribuição para contornar a crise que afeta este estado.

Esta crise está ligada a dois problemas sazonais que ocorrem no Brasil inteiro: A escassez das chuvas e o baixo nível dos reservatórios e mananciais que abastecem as companhias de saneamento. Apesar se sazonal, as administrações publicas municipais mostram-se incompetentes para solucionar o problema, pois não possuem um plano estratégico ou um estudo emergencial para contornar a situação, o que obriga a população a passar privações, uma vez que o fornecimento de água é essencial para o cotidiano e para a atividade econômica.

Fazendo um paralelo com o estado do Amapá, onde o estado ficou cinco dias sem energia elétrica e depois disso, passou por um rígido período de racionamento no abastecimento de energia. Esta é uma realidade muito próxima da maioria dos municípios do interior paulista, onde alguns municípios já planejam racionar este abastecimento para que o produto não falte e para que a população não sofra um desabastecimento de água.

O mais curioso disso consiste em uma medida arbitrária adotada por algumas prefeituras para conter a crise no abastecimento de água. Fala-se em multar, sem critérios estabelecidos, tudo o que considerarem desperdício, unicamente para disfarçar a falta de planejamento estratégico e a incompetência destas prefeituras para solucionar o problema. E fazendo com que as pessoas mudem seus hábitos cotidianos e armazenem água para não passarem por privações. Mas principalmente para não terem que arcar com o ônus da administração incompetente e insensível à questões com um nível de importância tão grande quanto o abastecimento de água. Aliado a isso, em meio à pandemia, os hábitos de higiene são fundamentais para conter a proliferação da doença. Mas, como garantir a higiene pessoal sem água? Uma pergunta, até o momento sem resposta, diante da crise hídrica.

À crise da água a Administração Pública responde com descaso, insensibilidade e mais taxações; ao consumidor que não consegue arcar com as taxas exorbitantes de consumo e cortes. Com isso, espera-se que a companhia de abastecimento de água de São Paulo (Sabesp) continue as obras necessárias para solucionar o problema desta crise hídrica que afeta o interior paulista, assim como, espera-se que as autoridades competentes (PROCON, MPE-SP e Tribunal de Justiça) se unam aos consumidores para que estes não arquem com os custos da incompetência da administração pública, pois já pagam impostos suficientes para os governos estadual e municipal para ainda serem taxados por falta de competência destas administrações.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas