R$9 bilhões de impulso à economia se a Inglaterra chegar à final da Copa: eis o tamanho do interesse do imperialismo na competição

tunisia-x-inglaterra
A economia poderia receber um impulso de bilhões se a Inglaterra chegar à final da Copa do Mundo, sugeriu uma pesquisa feita pelo Center for Retail Research (CRR), que estima que a economia se beneficiou de gastos extras de mais de £ 1 bilhão este ano.

O centro estima que os gastos aumentarão para 2,7 bilhões de libras se a Inglaterra chegar às finais. Ele diz que grande parte dos gastos será em lojas com fãs estocando comida e bebida antes de assistir a partidas em casa.

O professor Joshua Bamfield, diretor da CRR, disse que o montante gasto até agora foi de cerca de 800 milhões de libras a mais do que durante a Copa do Mundo de 2014, quando a Inglaterra caiu fora do torneio antes de chegar às oitavas-de-final.

Em seu relatório sobre a última Copa do Mundo, o CRR diz: “cada gol marcado por um jogador de futebol da Inglaterra – a caminho da final – valeria £ 165,3 milhões para os varejistas ingleses e um adicional de 33,2 milhões para pubs, hotéis e restaurantes. ”

No entanto, os gols da Inglaterra em 2014 mostraram-se fracos.

O prof. Bamfield disse: “na última Copa do Mundo, não passamos da fase de grupos e, do ponto de vista do varejo, as vendas caíram de um penhasco.

“Desta vez, ninguém esperava muito – eles estavam tão acostumados a ser chutados nos dentes – mas uma vez que eles começaram a jogar tudo mudou.

“Os padrões de gastos também se encaixam no atual tema de varejo da ‘experiência’. As pessoas querem gastar seu dinheiro indo ao pub ou fazendo um churrasco com seus amigos e assistindo a partida.” Na semana passada, Greene King, dono de um pub, depois de reportar um decepcionante lucro no ano passado, disse que as coisas estavam melhorando graças ao clima quente e à Copa do Mundo. A rede vendeu meio milhão de litros extras durante a partida do Panamá. O executivo-chefe Rooney Anand disse: “É verdade que quando o sol brilha, ou o esporte está ligado, as pessoas querem ir ao pub”. (Fonte BBC news, 4 julho 2018)