Menu da Rede

Biden, o pior inimigo dos imigrantes

Pandemia

Quilombolas tem que comprar geladeira para conseguir vacina

Os problemas vão desde a falta de estrutura para atendimento e armazenamento das doses até à pouca vontade política dos gestores locais.

“Quando a vacina chegou, o secretário de Saúde nos explicou que precisava de uma geladeira própria para a vacina.” – Reprodução

Por Brasil de Fato

Apesar de estarem incluídos nos grupos prioritários de imunização contra a covid-19 desde dezembro do ano passado, quilombolas de todo o país ainda encontram dificuldades em acessar a vacina. Os problemas vão desde a falta de estrutura para atendimento e armazenamento das doses até à pouca vontade política dos gestores locais.

Um dos casos recentes mais emblemáticos ocorreu na comunidade do Cumbe, no município de Aracati (CE). A prefeitura local se recusava a reconhecer o grupo como quilombola. Foi preciso recorrer à justiça para conseguir as doses.

Em abril, o prefeito Bismarck Maia (PTB) chegou a afirmar, durante uma transmissão online, que o quilombo não existia: “Essa história de quilombola no Cumbe não tem”. No entanto, a comunidade está certificada pela Fundação Palmares desde 2014.

Educador popular da região, João Luís Joventino do Nascimento, o João do Cumbe, conta que mesmo no judiciário, a batalha foi árdua. “O juiz federal aqui do Ceará disse que o Cumbe não poderia ser vacinado porque nós não éramos reconhecidos pelo Incra.”

O magistrado justificou a decisão afirmando que a comunidade não tinha o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação do Território Quilombola.

“Um absurdo, um total desconhecimento. A atribuição do Incra é na regularização fundiária, não na questão de identidade. O estado não pode retirar a identidade”, alerta João.

Foi somente após comunidade recorrer ao Tribunal Regional Federal (TRF), que a decisão foi revertida. O prefeito ainda tentou dificultar o processo com exigência de que a comunidade se deslocasse para receber as doses. Por meio da Defensoria Pública, o quilombo conseguiu garantir imunização no local.

“Foi um processo muito cansativo, desgastante e humilhante. Essa situação só vem para reforçar o racismo estrutural, institucional e ambiental que existe contra nós quilombolas. É muito triste saber que um gestor público desconhece seus munícipes”, desabafa João do Cumbe.

Sem geladeira

Em Tocantins, no quilombo Kalunga do Mimoso, a busca por vacinas foi organizada após o registro de infectados que se deslocaram para o município de Monte Alegre. Para evitar as viagens, a comunidade entendeu que as doses precisariam ser aplicadas no próprio território.

Não houve negativa da prefeitura, mas a Secretária de Saúde não tinha o equipamento para armazenamento das vacinas na temperatura correta que pudesse ser destinado ao local.

“Quando a vacina chegou, o secretário de Saúde nos explicou que precisava de uma geladeira própria para a vacina. A gente não tinha a geladeira, a que a gente tinha na comunidade é a que usamos para os nossos alimentos”, conta Eudemir de Melo da Silva, diretor secretário do quilombo.

Sem alternativa, moradoras e moradores se uniram para conseguir adquirir o equipamento, “Quando a gente fez o pedido da vacina, a gente achou que eles teriam uma forma de armazenar, mas não disponibilizaram”.

Com a mobilização da comunidade, a geladeira comprada foi instalada na sede da associação do quilombo. A prefeitura mandou uma equipe de saúde para o local e a população recebeu as primeiras doses. A segunda está marcada para o fim deste mês.

Nas zonas urbanas

Se quilombolas que vivem em territórios reconhecidos sofrem os impactos da falta de acesso à vacina, quem está nos ambientes urbanos tem enfrentado ainda mais dificuldades. O problema é sentido por pessoas do quilombo Vão das Almas (GO), por exemplo.

Um dos moradores, que prefere não se identificar, explica que a regra inicial foi imunizar apenas quem ainda reside no território, “Com isso, pessoas que moram fora não teriam direito, e muitas pessoas não conseguiram”, conta ele.

Em uma remessa de vacinas para a cidade de Cavalcante, parte das pessoas com origem no Quilombo conseguiu garantir o direito, mas as demais cidades da região não avançaram nesse sentido.

Gestão falha

Silvana Bastos*, assessora técnica do Instituto Sociedade População e Natureza explica que a política nacional esbarra em questões locais. Para solucionar o problema, é essencial uma coordenação única e fiscalização por parte do governo federal.

“É uma política nacional, tem a determinação do Supremo Tribunal Federal para o Plano Nacional de Enfrentamento à Pandemia para Comunidades Quilombolas, mas isso, quando chega nos municípios, reverbera de formas muito diferentes”, explica a especialista.

Ela lembra que o principal entrave está ainda na base do processo de reconhecimento das comunidades quilombolas. O governo não contabiliza milhares de populações. “Nós temos por volta de 6 mil quilombos no Brasil, só a metade disso é certificada pela Fundação Palmares e apenas 181 titulados”, alerta.

A lacuna de dados impede o acesso às políticas públicas e deixa as comunidades desprotegidas, o que causa impactos diretos na preservação da cultura e do meio ambiente. “Estudos científicos, com evidências apontam a importância dos povos indígenas e comunidades tradicionais para a boa governança das florestas”, ressalta Silvana.

“É um universo de potencialidades para um planeta melhor, a gente ter essas comunidades fazendo o que elas fazem do modo que elas fazem. Esse diálogo entre o conhecimento tradicional e o saber científico vai encontrar respostas para grandes desafios da humanidade”, completa.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.