Bolsonaro sabota o ENEM
O governo fascista de Jair Bolsonaro apontou a possibilidade de sabotagem. No entanto, é a própria direita que promove a sabotagem como um pretexto para a extinção do ENEM
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa  ao chegar no Palácio da Alvorada
Bolsonaro fala à imprensa ao chegar no Palácio da Alvorada: Antônio Cruz/Agência Bras |

Em declaração, o presidente fascista Jair Bolsonaro levantou suspeitas de que os erros na correção do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), que ameaçam o ingresso de novos estudantes nas universidades públicas para o ano letivo de 2020, possam ser resultado de uma ação de sabotagem. O ministro Abraham Weintraub disse anteriormente em declaração nas redes sociais que o “partido radical da esquerda” inventava mentiras para aterrorizar as pessoas e que não havia nada de errado com o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e com o ENEM.

As entidades estudantis União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes) denunciam o caos promovido pelo governo Bolsonaro nas provas do ENEM.

A direita bolsonarista sempre foi contra o ENEM e organiza um boicote para justificar sua extinção. Em anos anteriores, Jair  Bolsonaro e a extrema-direita denunciavam que o exame era um meio inventado pelo PT de promover a doutrinação ideológica da esquerda, devido aos temas que caíam nas provas, como a questão da violência contra as mulheres, questões sobre o movimento LGBT, história da ditadura militar, historia geral do Brasil e perguntas sobre a democracia e os movimentos sociais.

O boicote organizado pela extrema-direita ao ENEM e ao SISU é uma forma de atingir as universidades públicas, alvos fundamentais da ação dos fascistas desde o golpe de Estado de 2016.  O governo Bolsonaro tentou, por meio de diversas medidas, destruir as universidades e silenciar a intelectualidade que repudia o governo fascista. Fez cortes orçamentários bilionários e bloqueou verbas no MEC. Tentou retirar a autonomia universitária com a indicação de reitores pelo próprio governo. Procurou estimular a perseguição política aos professores e estudantes de esquerda ou simplesmente democráticos com o programa Escola Sem Partido. Apoiou operações policiais que tinham por objetivo constranger e perseguir professores e gestores. Buscou colocar o aparato policial para intimidar as atividades estudantis.  Bolsonaro ainda aprovou medidas que atacam a UNE, com o corte de seu financiamento.

A manobra é sucatear para privatizar, que é a política geral da direita para os serviços públicos e as empresas estatais. No caso das universidades públicas, Bolsonaro segue a cartilha do Banco Mundial/FMI, que diz que não deve existir ensino superior público no Brasil, que seria uma atribuição exclusiva da iniciativa privada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas