Quem é Ciro Gomes? O candidato da “esquerda” com bico de tucano

CIRO GOMES FILIA«√O AO PDT

Ciro Gomes é neste momento a maior polêmica em termos eleitorais na esquerda. Cotado como candidato desde 2015, ele têm se apresentado como pedetista, brizolista, “socialista democrático”, de acordo com suas próprias palavras, é claro.

Ciro foi saudado por membros da esquerda como uma figura essencial na luta contra o golpe, principalmente por aqueles que não lutaram contra o golpe, ou que lutaram pouco. Agora um setor tenta emplacá-lo como a última esperança sobre a terra.

 

Quem foi Ciro Gomes?

 

… Durante a Juventude

 

Existem duas coisas que se deve ficar atento ao julgar uma figura política, nenhuma delas é o que ela diz. A primeira é o que ela fez, e com quem, a segunda é o que ele está fazendo agora.

Ciro Gomes entrou na política no movimento estudantil, a primeira menção ele em uma rápida pesquisa é durante o Congresso da União Nacional do Estudantes (UNE) de 1979, o congresso de reconstrução da organização.

Lá haviam chapas de todas as facções da esquerda, o PCB, PCdoB, PCR, Ação Popular Marxista Leninista, a trotskista Organização Socialista Internacional, a chapa do atual PSTU, da corrente do hoje deputado Ivan Valente do PSOL, e uma outra chapa, uma chamada “Maioria”.

A chapa Maioria apareceu pouco na história, pois com a crise da ditadura, a direita, que era apoiada pela ditadura, não tinha muito espaço no radicalizado movimento estudantil, Mas relembrar é viver, e Ciro era o candidato a vice pela chapa da direita.

 

… Sua primeira filiação

 

Seu pai era um político da Arena, partido que sustentava o regime militar,  o Partido mudou de nome para Partido Democrático Social quando a ditadura entrou em crise. Rapidamente entrou no PMDB, o velho partido da ditadura estava em dissolução e o PMDB em ascensão, em 1986 o PMBD iria vencer todos os governos estaduais menos Sergipe.

De oportunidade em oportunidade Ciro foi se erguendo na carreira política, migrou de um lado plenário para o outro sem peso na consciência.

 

… Seu Primeiro cargo

 

Ciro Gomes foi eleito deputado estadual surfando a onda do crescimento do PMDB, seus contatos com a burguesia ficam bem claros por vir de uma família da Arena.

Ele rapidamente aparece fazendo comentários bombásticos, um estilo que lhe ficaria marcado. No PMDB ele mostrou sua íntima relação com a direita e a burguesia por se tornar um afilhado de Tasso Jereissati.

Jereissati, hoje figura de proa do PSDB, era do PMDB e era o presidente do Centro Industrial do Ceará, a FIESP do Estado. o representante eleito da burguesia. Tasso também é um dos maiores empresários do nordeste.

Ciro iria fazer campanha para eleger Tasso governador do Ceará, com sucesso, e depois virar seu sucessor.

Ciro foi presidente da Assembléia Legislativa do Ceará, durante o governo de Tasso, um governo marcado pela política de austeridade neoliberal, Jereissati era um empresário que virou governador, um Dória cearense.

 

… Sua segunda troca de camisa

 

Com o fim da ditadura o PMDB foi afundando em termos de apoio, ficou conhecido por escândalos de corrupção, ataques à população e pelo terrível governo Sarney. Por essas e outras uma ala de intelectuais da esquerda moderada do PMDB (em processo de direitização diga-se de passagem), e uma ala que queria manter-se longe da péssima imagem do PMDB, mesmo sendo de direita, Tasso e Ciro eram desta ala, criaram o PSDB.

 

… Seu governo e seu primeiro ministério

 

O PSDB caminhava à direita, cada vez mais se parecendo com o que é hoje, e Ciro Gomes prosperava lá dentro. Tornou-se governador do Ceará em 1991, pelo PSDB. Em 1994 renúncia e se torna ministro da fazenda do governo de Itamar Franco, mantendo o assento quente para os tucanos enquanto Fernando Henrique Cardoso, preparava sua campanha.

Ciro apoiou FHC na eleição contra Lula, não seria a primeira fez que ele ficará contra o petista, e nem a última. O governo de FHC é marcado pela sua brutal política econômica, pelo ataque cerrado aos sindicatos, por um governo de guerra da burguesia contra o povo. FHC privatizou e enterrou o País, e não era nenhuma surpresa que ele iria fazer isso, era esperado, mas Ciro se manteve no PSDB por mais alguns anos.

 

… Acaba o cheiro de carro novo

 

Os ataque do PSDB ao povo eram fora de série, o verniz esquerdista, de partido não corrupto, e de novo desapareceram rapidamente, o PSDB estava sendo rejeitado rapidamente. Em meio a esta crise, nasce o PPS, Partido Popular Socialista.

o PPS surgiu de dentro do antigo Partido Comunista Brasileiro, mas não tem nada de comunista. Surgiu como uma sucursal dos partidos políticos da burguesia, mais especificamente do próprio PSDB.

Eles apoiaram o Impeachment de Dilma, um de seus membros é Raul Jungmann, capacho dos militares no atual governo Temer, É para lá a nova parada do trem de Ciro Gomes.

 

… Ciro rouba votos de Lula para benefício da direita e não é em 2018

 

Em 1998 o Brasil passava uma grande crise política, o plano do PSDB causou uma grande pobreza, uma reação enorme. A reeleição estava proibida, FHC não poderia concorrer. A direita foi obrigada a mudar as regras para permitir que FHC disputasse, era o único candidato capaz de disputar com Lula, afinal ele era o presidente,

Para auxiliar FHC, veio Ciro Gomes. Ciro se apresentou como candidato de esquerda, com seu discurso agressivo, mas claramente ele tinha outra função, retirar votos de Lula.

Os números finais da eleição mostram bem isso. FHC venceu em primeiro turno com mais de 53% dos votos, Lula acumulou 37% e Ciro Gomes acumulou mais de 10%. FHC perdeu em apenas 3 estados, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Ceará, na terra de Ciro Gomes.

Os votos de Ciro e Lula, quase levariam a eleição para um segundo turno, o resultado poderia ter sido outro sem Ciro.

 

PS: Ciro foi contra o impeachment de FHC, uma pauta comum de vários setores de esquerda

 

… Pós 2002

 

Ciro Gomes foi novamente candidato em 2002, quando Lula venceu. Após a vitória de Lula, o PPS, partido em que estava foi se colocando abertamente na oposição, em 2006, eles iriam apoiar abertamente o PSDB contra Lula. A reputação do PPS havia também evaporado.

Ciro então deixou a organização para entrar no PSB, um partido que apoiou o governo Lula, mas um partido da burguesia regional.

 

… E onde estava Ciro em 2010 e 2014?

 

Ciro Gomes não apoiou Dilma, não fez campanha nem nada do tipo, e se desentendeu do PSB quando este foi contra lançá-lo candidato.

 

… Disse ser sem contra o golpe, mas trabalhou para eles.

 

Neste meio tempo, Ciro fez várias coisas, uma delas foi trabalhar para a CSN, a Companhia Siderúrgica Nacional. A CSN é propriedade de Benjamin Steinbruch, vice-presidente da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e um dos principais articuladores do impeachment de Dilma Roussef.

 

…E esse negócio de PDT?

 

Ciro entrou no PDT em 2015. Seu escritório de campanha fez questão de pintá-lo como um trabalhista, que agora está num partido que é membro da Internacional Socialista, mas como vimos até agora, Ciro nada tem a ver com o trabalhismo, socialismo e a esquerda. O PDT, com o seu ingresso, foi expurgado. Os velhos brizolistas deram lugar a pessoas como o próprio Ciro Gomes, demagogos que mais pertencem ao PSDB do que à esquerda.  

Sob sua liderança, a bancada do PSDB na Câmara de Deputados votou em bloco pela intervenção militar no Rio de Janeiro.

 

… Disse ser contra o golpe mas nada fez

 

Ciro fez muitos comentários sobre a luta contra o golpe, comentários contra o governo Temer e outras coisas. Mas o seu PDT, e ele mesmo não estiverem presentes em atos, passeatas, greves e outras coisas, votaram contra o impeachment, mas é só, disseram ser, mas na prática não foram.

 

Então quem é Ciro Gomes?

 

Ciro Gomes é um oportunista, sua troca de partidos sempre coincidiu com o ódio da população para estes partidos.

Ciro Gomes é uma pessoa da burguesia, nunca teve nada a ver com sindicatos e trabalhadores. Seus círculos são os de empresários e da direita.

Ciro Gomes não é ideologicamente de esquerda, na verdade, nem é possível dizer se ele têm uma ideologia definida, além da sua própria preservação e avanço.

Ciro Gomes é um candidato da direita, é um candidato aceito pelo golpe, e se eleito, apenas os céus sabem o que seria este governo, mas não seria um governo do povo.

*  Este artigo foi corrigido para retificar um erro cometido pelo redator, Ciro Gomes não foi Ministro da Fazendo durante a Era FHC, mas sim durante o governo de Itamar, o governo que abriu caminho para FHC, ele entrou no cargo após FHC sair, no ano eleitoral.