Cidade às escuras
Com a chegada do inverno, pelo segundo ano consecutivo as queimadas da Amazônia e do Pantanal batem recorde no Mato Grosso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Cuiabá sob fumaça de queimadas
Cuiabá sob fumaça de queimadas | Foto: Reprodução

O governo do Mato Grosso decretou estado de emergência em todo o Estado por conta dos recentes focos de incêndio no Pantanal. No último sábado (25) a nuvem de fumaça chegou à capital Cuiabá, o que forçou o governo estadual a reagir.

De acordo com o corpo de bombeiros de Mato Grosso, apenas nos últimos cinco dias foram queimados 26 mil hectares (260 km²) de vegetação, uma área maior que o município do Recife e duas vezes maior que a mancha urbana de Cuiabá. Os incêndios ocorrem na região de Poconé (102 km de Cuiabá).

De janeiro a julho deste ano, foram registrados no Pantanal 2.534 focos de incêndio, um número superior em 158% ao registrado no mesmo período no ano passado (981). Este número é o recorde histórico do Programa de Queimadas do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para o Pantanal.

No dia 16 de julho, por conta de pressões internacionais, sobretudo de grandes bancos e fundos de investimento, o governo de Jair Bolsonaro assinou um decreto proibindo queimadas na Amazônia legal e no Pantanal por 120 dias.

Diante desse fato, é importante frisar que a origem de grande parte dos focos de incêndio não é espontânea, mas sim causada pela ação dos grandes latifundiários mato-grossenses, tanto em relação ao Pantanal, quanto em relação à Amazônia, ambos biomas presentes no estado.

Prova disso, além do que nos diz o órgão técnico (INPE), é o fato do Governo Federal tentar apelar para um decreto para controlar a situação, uma vez que a natureza não obedece decretos, mas somente seres humanos, como é o caso dos latifundiários. No caso do governo do Mato Grosso, dirigido por Reinaldo Azambuja (PSDB), o controle da situação está sendo negociado com a Famato (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso). Ou seja, quem destrói a Amazônia e o Pantanal é o latifúndio.

A destruição dos biomas brasileiros (Pantanal, Amazônia, Cerrado) através de queimadas e da agricultura extensiva tem sido uma questão constante do governo Bolsonaro. No dia 19 de agosto de 2019 o tema ganhou uma ampla repercussão nacional após uma imensa nuvem de fumaça com origem em queimadas no Mato Grosso atingir a cidade de São Paulo, que ficou com o céu escurecido às 15h da tarde. O fato causou uma ampla apreensão pela extensão que poderiam estar tomando as queimadas no país. Três dias depois, o diretor do INPE, Ricardo Galvão, foi demitido após o instituto anunciar a detecção de mais de 74.000 focos de incêndio na Amazônia legal.

Novamente, registra-se um grande surto de incêndios durante o inverno, desta vez em número muito maior que em 2019. A conclusão que se pode tirar é que o governo Bolsonaro não só é incapaz de impedir a destruição dos biomas brasileiros, com seu inócuo combate ao desmatamento através de decretos, como na verdade é o grande responsável por essa situação, seja pelo ataque ao IBAMA e ao INPE, seja pela apologia da destruição ambiental levada a cabo tanto pelo ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, quanto pelo próprio presidente.

Neste momento, a situação se agrava ainda mais, pois em meio à pandemia da Covid-19, uma doença respiratória, e em meio ao inverno, uma estação seca em que a qualidade do ar é naturalmente comprometida, as queimadas pioram de forma aguda o quadro respiratório de toda a população do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Em Cuiabá, há décadas a cidade é sujeita a nuvens de fumaça no inverno, mas agora, com o aumento vertiginoso dos focos de incêndio, a situação atinge um novo patamar de gravidade.

Enquanto no MT, onde ocorrem as maiores queimadas, há quase 45.000 casos da Covid-19, com a sexta maior taxa de letalidade no país (3,6%), no MS a situação ainda é incipiente, com 21.000 casos e uma taxa de letalidade bem mais baixa, de 1,42%.

Por tudo isso, a situação no Mato Grosso é realmente uma situação crítica, e isso pelo descaso dos governos federal e estadual, tanto com a destruição do patrimônio biológico do país quanto com a saúde pública. Enquanto o Pantanal e a Amazônia ardem em chamas, num verdadeiro “inferno tropical”, a Covid-19 se alastra como o fogo. Não há um verdadeiro combate à pandemia, com isolamento dos casos ativos e rastreamento e testagem dos casos suspeitos, mas apenas uma “quarentena” de fachada, com um isolamento social em que a maioria da população não está isolada de nada, e a política de “use máscara”, em que cada um é responsabilizado por si mesmo, sem uma política pública de fato.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas