Pandemia
Os patrões de frigoríficos estão sendo acobertados pelo governos federal, do fascista Bolsonaro, e pelos governadores golpistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Entrada de frigorífico do grupo JBS/Friboi | Foto: Reprodução

Os trabalhadores dos frigoríficos do grupo JBS/Friboi estão sendo um setores dos mais afetados pela contaminação do coronavírus.

O primeiro caso denunciado foi em Santa Catarina, onde os trabalhadores tiveram que paralisar as atividades. O Sindicato representante desses funcionários entrou na justiça, e, mesmo com a situação que vinha se agravando, a justiça mandou que a fábrica voltasse a funcionar.

Em seguida, no Rio Grande do Sul, em Passo Fundo, a fábrica foi interditada devido aos trabalhadores, na época 62 tinham confirmado positivo, com coronavírus. O governador do estado, Eduardo Leite, do golpista PSDB, em um cinismo sem igual, após sete dias em que a situação vinha se agravando fez um comentário de que uma indústria de alimentos havia “umas pessoas” com o Covid-19. O resultado é que a indústria do grupo JBS teve três paralizações seguidas e mais de 200 operários tiveram coronavírus.

A situação dos frigoríficos do grupo JBS em praticamente todos os lugares onde estão instalados é de desespero trabalhadores devido à quantidade de infectados pelo COVID-19.

As péssimas condições de trabalho impostas pelos frigoríficos, a falta de espaço para trabalhar é o modo de funcionamento das indústrias do grupo JBS/Friboi.

As informações de casos de contaminação nos frigoríficos é muito fragilizada devido à ocultação das informações, apesar disso, sabe-se que um a cada cinco trabalhadores do setor já foi contaminado.

Segundo o grupo JBS, em nota divulgada à imprensa burguesa, 100 empresas existem no Brasil, com um montante de 170 mil trabalhadores e, nas fábricas onde houve um mínimo de fiscalização, verificou-se, em determinados casos números perto de 50% infectados.

Pacto entre governo e patrões

Apesar da ser uma situação de verdadeira tragédia, os patrões estão sendo acobertados pelo governos federal, do fascista Bolsonaro, em primeiro lugar, mas todos os governadores, a exemplo do que fez o golpista Eduardo Leite, bem como os prefeitos.

A ministra da agricultura, Tereza Cristina, latifundiária, golpista e uma das interessadas em que não haja paralisação nos frigoríficos, mesmo que dezenas de milhares já estejam contaminados, disse, se posicionando contra a paralisação dos frigoríficos, que é preciso entrar muitos dólares no país, em referência às exportações de proteína animal para outros países.

O Grupo JBS/Friboi não protege seus trabalhadores de uma situação onde um contingente enorme está sendo contaminado, bem como seus familiares, etc., mas, certamente, vem distribuindo dinheiro a cada um dos governadores e prefeitos onde suas fábricas estão instaladas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas