Frente única da esquerda
A única unidade possível na esquerda é a luta contra o golpe, pelo fora Bolsonaro e pela candidatura de Lula
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lula
Eleição sem Lula é golpe. | Arquivo DCO.

A unidade dos trabalhadores, ou seja, a unidade na luta, é uma questão chave da política. Tanto é assim, que o marxismo faz um chamado no seu primeiro documento histórico à unidade geral dos trabalhadores: “Proletários de todo o mundo, uni-vos”, concluíam Marx e Engels no seu Manifesto do Partido Comunista.

Mas a conquista de uma unidade real por parte dos trabalhadores e de suas organizações não é algo simples. Em geral, a esquerda substitui uma unidade real por uma abstração.

A conquista da unidade exige uma política correta. Primeiro, deve-se buscar uma unidade da classe trabalhadora e depois uma unidade da classe trabalhadora com outras classes.

A unidade dos trabalhadores é complexa porque o próprio capitalismo coloca os trabalhadores em competição. Kautsky, quando era revolucionário, afirmou que, se no capitalismo não existisse desemprego, a revolução seria quase automática.

Uma unidade precisa se dar entre pessoas e grupos que tenham o mesmo interesse. Nesse sentido, a unidade da frente ampla, por exemplo, é uma armadilha, uma arapuca para os trabalhadores. Primeiro porque ela não tem o objetivo de tirar Bolsonaro do governo. A direita que integra a frente ampla não apenas foi a responsável por Bolsonaro ter chegado à presidência como procura sustentar o governo. Não há, portanto, a possibilidade de uma unidade entre os que querem e os que não querem tirar Bolsonaro. O problema então é saber em que situação é possível unificar esta ou aquela organização política.

A esquerda nesse momento discute o problema da unidade de maneira abstrata, inclusive nas eleições. Desconsidera a situação política nacional e internacional e seu desenvolvimento concreto para traçar uma política eleitoral. A unidade eleitoral não procura estabelecer um programa de luta e mobilização real, que enfrente a situação política. A esquerda pequeno-burguesa, ébria com as eleições, faz seus planos baseados em determinadas apostas eleitorais que não são sequer viáveis.

O caso de São Paulo é bastante claro nesse sentido, o grande debate é se Guilherme Boulos (PSOL) tem mais o menos chances de ganhar as eleições do que Jilmar Tatto (PT). E com base nessa ilusão, começam a aparecer alianças, apoios, debates sobre quem tem o melhor programa administrativo para a cidade. Enquanto isso, os golpista aprofundam seu domínio no regime político, incluindo, é claro, a manipulação das próprias eleições.

Em primeiro lugar é preciso ter claro que a política que unifica é a derrota do golpe. Não simplesmente porque há o interesse comum da esquerda em lutar contra o golpe – o que não é verdade -, mas porque sem a derrota do golpe as condições de atuação da esquerda são as piores possíveis.

Nesse sentido, a única política eleitoral possível, mesmo para os partidos que têm nas eleições sua atividade central, é a luta contra o golpe que se materializa na palavra de ordem de fora Bolsonaro e de um ponto de vista de uma política para as eleições, uma campanha desde já pela candidatura de Lula. Essa campanha é a única capaz de mobilizar e unificar amplos setores dos trabalhadores e toda a esquerda, incluisve para as eleições.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas