Fora Bolsonaro
Em todo o país, o carnaval mostrou a forte tendência da população em canalizar sua revolta contra o governo na palavra de ordem de “Fora Bolsonaro”.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fora bolso
Troça Carnavalesca Municipal "Fora Bolsonaro". Foto: Diário Causa Operária |

Poucos instantes após a vitória eleitoral de Jair Bolsonaro em 2018, o candidato concorrente, Fernando Haddad (PT), veio a público desejar-lhe “boa sorte”. O líder do Movimento de Trabalhadores sem Teto (MTST) e também concorrente ao primeiro turno das eleições de 2018 Guilherme Boulos deixou claro que Bolsonaro era o vencedor legítimo da disputa. Nessas condições, pedir a anulação das eleições seria, portanto, impensável para os “sábios” da esquerda pequeno-burguesa.

Veio o ano de 2019. E com ele, veio também o início do mandato do fascista Jair Bolsonaro. Logo no seu discurso de posse, Bolsonaro afirmou que iria acabar com o socialismo. Para a esquerda pequeno-burguesa, ainda não era hora de pedir a derrubada do governo, pois esse contaria com enorme apoio popular.

Em março de 2019, veio o carnaval. E, na maior festa popular do país, o que mais se ouviu não foram declarações de amor a Bolsonaro, mas sim gritos de ódio contra um governo que mal chegara a seu 50º dia: “ei, Bolsonaro, vai tomar no c*” e “ai, ai, ai, Bolsonaro é o c*”. No entanto, para a esquerda pequeno-burguesa, isso não dizia muita coisa: o carnaval seria apenas uma festa e xingar Bolsonaro não seria o mesmo que querer sua derrubada.

Em maio do mesmo ano, vieram os maiores protestos que o país já viu nos últimos anos. Os protestos, catalisados pelos ataques à Educação, eram diretamente contra a política neoliberal do governo Bolsonaro. O Fora Bolsonaro aparecia cada vez mais nos cartazes e nos gritos dos manifestantes, mas.., ainda não seria a hora.

A partir desse período, abriu-se uma série de discussões inócuas no interior da intelectualidade pequeno-burguesa. Alguns, mais abertamente tucanófilos, falavam sem pudores que seria falta de Educação e, até, um indício de despolitização, xingar Bolsonaro. Outros, pretensamente mais comprometidos com a Revoulução Socialista, chegaram ao absurdo de dizer que, se o povo russo estivesse gritando “ei, Kerensky, vai tomar no c*, a insurreição bolchevique nunca viria”. Durante todo o resto daquele ano, os xingamentos contra o governo se tornariam cada vez mais populares, enquanto as teses contra a mobilização pela derrubada do governo foram se tornando mais reacionárias.

O carnaval de 2020, no entanto, está trazendo mais um problema para as teses dos ideólogos da esquerda pequeno-burguesa. Os xingamentos contra Bolsonaro têm se propagado ainda mais do que no ano passado. No entanto, as mesmas pessoas que xingam Bolsonaro, hoje também se mostram a gritar “Fora Bolsonaro”. Visivelmente, em todo o país. o “Fora Bolsonaro” está se tornando uma palavra de ordem frequente no carnaval.

Se até no carnaval, a população quer a queda do governo, não é necessário mais nenhum indício de que está na hora de organizar sua queda. Por isso, é preciso, já, partir para um amplo movimento que se coloque claramente com o objetivo de derrubar, na marra, o governo ilegítimo do fascista Jair Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas