Nova ofensiva
Governo golpista anuncia planos de privatizações de empresas estatais estratégicas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
-Brasília - DF, 01/04/2020) - Coletiva de imprensa com o Presidente da República Jair Bolsonaro.e o ministro da economia Paulo Guedes no Planalto Foto: Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro e Paulo Guedes em coletiva de imprensa | Foto: Marcos Corrêa/PR

Recentemente, o ministro da economia Paulo Guedes, também conhecido como “tchutchuca dos banqueiros”, afirmou que, em breve, o governo entreguista de Jair Bolsonaro deverá anunciar planos para quatro grandes privatizações “em período de 30, 60 a 90 dias”.

Entre as estatais que poderão ser abocanhados pelos grandes capitalistas estão importantes empresas como Petrobras, Correios, Eletrobrás e Caixa Econômica Federal. Os argumentos (falaciosos) são basicamente os mesmos de sempre: uma suposta ineficiência dessas estatais, necessidade de cortar gastos frente ao cenário adverso causado pela pandemia da Covid-19, os “recursos” arrecadados nas privatizações “serão utilizados” para “investir” em áreas como saúde e educação e, bem ao gosto do moralismo da classe média, essas empresas deixariam de funcionar como “cabides de emprego”.

Na realidade, trata-se de mais um ataque ao povo brasileiro. Por vários motivos. O primeiro e mais óbvio é o grande número de trabalhadores que perderão seus empregos.

No entanto, essa política vai além: significa entregar o controle de setores estratégicos para os capitalistas estrangeiros. É uma política de traição nacional, verdadeiro crime de lesa-pátria, que coloca em risco a própria soberania nacional.

A Caixa Econômica está na mira do setor mais parasitário do capitalismo: os banqueiros.

A privatização dos Correios pode fazer com que muitos municípios deixem de contar com esse importante serviço, pois uma empresa privada, diferentemente de uma estatal, tem como principal objetivo o lucro, e não atuará em áreas não rentáveis.

Do mesmo modo, a Eletrobrás – que leva energia elétrica (em muitas ocasiões, subsidiada) aos mais longínquos municípios – em uma possível privatização, a empresa que arrematá-la não levará energia subsidiada para a população pobre.

Já a Petrobrás, desde que foi criada, na década de 50, tem sido alvo da cobiça imperialista. Nos anos 90, no governo Fernando Henrique, a estatal se transformou em empresa de capital aberto e deixou de monopolizar a indústria petroleira no Brasil; porém, o principal objetivo de FHC, entregá-la totalmente ao capital internacional, não foi concretizado.

Duas décadas depois, a Operação Lava Jato foi arquiteta para destruir a Petrobrás, pavimentando o caminho para sua privatização. Jair Bolsonaro quer terminar os trabalhos sujos iniciados por Fernando Henrique e Sérgio Moro. Afinal de contas, foi para colocar em prática essa política de terra-arrasada que ele foi escolhido pela burguesia.

Conforme a realidade nos mostra, enquanto para ter acesso privilegiado às riquezas de outras nações atrasadas – como Afeganistão e Iraque – o imperialismo teve que se amparar intelectualmente em teorias geopolíticas fajutas (como o chamado “choque de civilizações”, proposto por Samuel Huntington), construir complexas máquinas de propaganda midiática anti-islã e travar dispendiosas guerras; no Brasil, pelo contrário, não foi preciso um tiro sequer.

Para que as nossas riquezas naturais fossem entregues, bastou a imprensa golpista golpista convocar a classe média coxinha para dançar em torno do pato da Fiesp, retirar Lula do cenário político e eleger um governo fascista e capacho.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas