HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

Como o imperialismo usa ONGs para desestabilizar inimigos

No dia 29 todos às ruas!

Quais reivindicações serão levadas para as ruas no dia 29?

Nas ruas para lutar por vacina, auxílio, emprego e contra as privatizações.

Nas ruas com o povo e em prol do povo. – Foto: Reprodução

Neste sábado, 29 de maio, sindicatos, partidos políticos, estudantes e o povo em geral estarão nas ruas lutando pelo Fora Bolsonaro e por vacina, emprego e auxílio emergencial.

A crise econômica, que assola sobretudo os mais pobres, é consequência da crise capitalista mundial, que impõe uma política neoliberal de fome, deixando mais de 60 milhões de brasileiros uma situação de miséria e desemprego. Enquanto o povo morre de fome, Bolsonaro passeia de moto e destina milhões para atividades supérfluas e compra de deputados através de emendas parlamentares.

O agravamento dessa crise social, econômica e sanitária criou as bases para a superação dessa politica da morte, com o povo nas ruas. O povo, convocado pelo PCO, os Comitês de Luta e outra organizações, já saiu às ruas para protestar contra a comemoração do sanguinário golpe de 1964, que a burguesia comemorou e foi para as ruas pedir mais um golpe com Bolsonaro no poder. Ao não ir para as ruas, deixando parte delas para os fascistas, boa parte da esquerda pequeno-burguesa cometeu um grave erro, mas agora começa a acordar e mobilizar seus militantes para lutar contra esse desmonte do país e da política genocida do governo federal e seus asseclas.

Após o ato do dia 1º de Maio, um ato classista na Praça da Sé, que reuniu mais de 2 mil pessoas, sem a participação efetiva dos maiores partidos de esquerda, ficou claro que a mobilização popular de rua com segurança frente ao vírus é possível  e é uma necessidade indispensável diante da violência que estão nos impondo. Após o ato classista em maio, o povo tomou mais ainda as ruas. Em 7 de maio, o MTST convocou seus militantes para um ato de rua. Em seguida, o povo saiu também em protesto ao massacre do Jacarezinho, a maior chacina ocorrida no Rio de Janeiro em plena pandemia, de forma brutal e covarde, provocando a revolta de toda a população.

Diante desse grave momento, o dia 29 de maio será mais um dia importante para mobilizar mais ainda a população e todos os partidos de esquerda, sindicatos e associações populares. A Central Única dos Trabalhadores, maior e principal central sindical do país, confirmou presença. O MST, maior organização de luta pela terra no País, também participará do ato, assim como a Central dos Movimentos Populares, que abriga centenas de movimentos, e o Partido dos Trabalhadores (PT), maior partido de esquerda da América Latina.

Não precisamos mais de lives, carreatas e atos simbólicos inócuos diante do cinismo e ataques da extrema-direita. Só a mobilização popular vai derrotar essa extrema-direita. Não à frente ampla com setores golpistas! Frente só com o povo e suas organizações populares de luta!

O ato nacional do dia 29 de maio, que ocorrerá diuturnamente em todo o Brasil, lutará pelas seguintes reivindicações do povo brasileiro:

POR UMA VACINAÇÃO EM MASSA

Para dar fim à crise sanitária, é preciso que toda a população seja vacinada em massa, de forma imediata. Quanto mais se perde tempo em adquirir ou produzir as vacinas, mais pessoas morrerão, os hospitais entrarão em colapso e faltarão insumos hospitalares devido à alta quantidade de internados, sem falar do colapso no sistema funerário. O cinismo das grandes potências ao negar uma maior vacinação para toda a população do globo através da quebra das patentes continua explícito, pois colocam o interesse financeiro dos grandes capitalista e indústrias farmacêuticas em primeiro lugar. Aliado a essa atitude genocida dos poderosos, temos o governo federal que prorroga, obstaculiza e desmerece o quanto pode a aquisição de qualquer vacina, sobretudo aquela que não seja das potências aliadas, como é o caso da vacina russa, até hoje impedida de ser aplicada no país.

POR UM AUXÍLIO EMERGENCIAL DE PELO MENOS UM SALÁRIO MÍNIMO.

Para que a população não passe mais fome como já vem passando com a crise da economia e a falta de emprego e renda, é necessário que todo o povo exija um auxílio emergencial digno, que deveria ser de R$5.000, mas, diante do tamanho desprezo e avareza do governo federal, que só tem dinheiro para os bancos, os quais receberam do governo em 2020 um trilhão de reais, devemos lutar para que o auxílio seja de pelo menos esse salário mínimo. O valor que o governo propôs a dar é humilhante, não supre nenhuma necessidade básica da família, sobretudo em um momento de pandemia, com a economia em ruínas.

NÃO ÀS PRIVATIZAÇÕES

Em meio a essa tremenda crise politica, sanitária e econômica, com mais de 14 milhões de desempregados, o governo federal e seus aliados golpistas tramam a venda do patrimônio brasileiro sem sequer consultar o povo, seus verdadeiros proprietários. Estão na mira dos assaltantes imperialistas, em conluio com os direitistas lesa-pátria, a Eletrobrás, empresa líder em transmissão de energia elétrica no Brasil, rentável e importante para a industrialização do país. Se esse patrimônio for vendido a preço de banana como fora feito com a Vale do Rio Doce na era do entreguista FHC, a mão de obra será mais sucateada, os salários ficarão menores,  o meio ambiente continuará sob ataque e o custo da energia será mais oneroso para os brasileiros, aumentando os lucros de seus acionistas, os únicos beneficiados. A outra grande empresa no alvo dos parasitas são os Correios, que vêm sofrendo um desmonte e ataque para que a própria  população se iluda com a proposta de privatização.

REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO

Ao lado da necessidade urgente de salvar a população com vacinação gratuita, em massa e de forma imediata, gerar emprego é de fundamental importância para o povo brasileiro atenuar seu sofrimento nessa constante crise do regime capitalista, que quer passar a conta da dívida justamente para os mais carentes e oprimidos, salvando bancos e grandes empresários monopolistas. Reduzir a jornada de trabalho para 35 horas, sem perdas salariais, com boas condições de trabalho, é indispensável na luta popular que começa a tomar as ruas. Não devemos aceitar nenhum plano de demissão voluntária ou induzida proposto pelos bancos e demais empresas. Assegurar o povo trabalhando, com carga horária menor, salário corrigido e com um amplo plano de admissão pelas empresas, é o primeiro passa para a geração de mais empregos e distribuição de renda para os trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.