É preciso ir às ruas
Partido reforça a defesa da candidatura de Lula, o que deve ser acompanhado pelas forças efetivamente ligadas aos interesses populares e gerar mobilizações por Lula presidente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lula PCO ABC
Apoio popular a Lula foi "forjado em anos de lutas" | Foto: Reprodução

O Partido dos Trabalhadores publicou em seu sítio, no último dia 7, uma nota comentando o resultado das eleições municipais de 2020 e reforçando a posição do partido em defesa da candidatura do ex-presidente Lula.

Assinada pelo Diretório Nacional do PT, a nota foi lançada após uma sequência de ataques oriundos da ala direita do partido, com declarações amplamente repercutidas pela imprensa golpista, que reproduziam os ataques da burguesia contra a liderança de Lula e ameaçavam um golpe contra o partido e a presidenta Gleisi Hoffmann.

Lembrando o papel destacado dos monopólios capitalistas de comunicação -em especial a Rede Globo- e da atuação direta do setor judicial da burocracia em favor da direita no período eleitoral, a nota elenca, como consequência das eleições, campanhas urgentes a serem desenvolvidas pela militância petista, entre as quais, “ o resgate dos direitos políticos do presidente Lula.” Segue abaixo a reprodução do trecho que destacamos:

“Acima de tudo, o resultado nos impõe a responsabilidade de fortalecer com a esquerda e os movimentos sociais a oposição ao governo Bolsonaro, aos seus aliados e as políticas neoliberais, bem como construir as condições políticas para disputar as próximas eleições presidenciais com uma agenda de reconstrução do país, dos direitos, da soberania nacional e da democracia. E esta tarefa começa já, colocando na ordem do dia as questões que a grave crise nacional e o enfrentamento da pandemia nos exigem:  

Garantir o acesso universal e gratuito às vacinas, a testagem em massa e a todas as ações de enfrentamento da pandemia;

Defender a manutenção do auxílio emergencial, enfrentar a carestia, o aumento da pobreza e a profunda crise social que vão se agravar pelo descaso do governo federal ante o sofrimento do povo;

Criar milhões de empregos em todo o país;

Devolver o processo político brasileiro à normalidade democrática, com o resgate dos direitos políticos do presidente Lula.”

 

Pressão golpista contra Lula e a esquerda do PT

 

A publicação da nota vem na esteira de uma sequência de ataques contra o partido, feita por elementos notoriamente direitistas dentro do PT. É o caso de Jaques Wagner. Usando-se de um suposto lugar de fala afetivo, o senador pelo PT baiano foi a uma rádio soteropolitana declarar-se “refém” de Lula:

“A gente não pode ficar refém. Sou amigo-irmão do Lula, mas vou ficar refém dele a vida inteira? Não tem sentido. É minha opinião sincera, parabéns aos jovens que participaram e ganharam”.

Adendo importante, entre os jovens parabenizados por Wagner, estava João Campos, prefeito eleito do Recife em meio a uma campanha bolsonarista contra a candidata petista, Marília Arraes.

Outros petistas menos conhecidos também manifestaram-se pela aposentadoria compulsória de Lula, como o até então desconhecido membro do Diretório Nacional do partido, Alberto Cantalice:

“o PT tem várias lideranças: (o ex-prefeito Fernando) Haddad, (governador) Camilo (Santana), (o senador Jaques) Wagner, (os governadores) Rui Costa, Wellington Dias e Fátima Bezerra. Vários senadores. O Lula já deu muito para o partido. É hora de abrir espaço.”

A declaração do petista, dada ao jornal golpista O Globo (logo onde?), foi instantaneamente repercutida por toda imprensa burguesa, inclusive O Antagonista.

Em seu perfil no Twitter, Cantalice postou ainda a seguinte mensagem, com referências veladas à presidenta Gleisi Hoffmann:

“Não se pode converter derrota em vitória. Derrota é derrota. O papel do dirigente político é o de buscar as causas das derrotas. Fora disso, é o autoengano, teimosia, obtusidade. O PT precisa voltar a ser o partido do futuro. Passado é passado”.

Alvoroçados pelo resultado eleitoral, a direita petista chegou mesmo a ensaiar um golpe dentro do PT, para forçar o término antecipado do mandato presidencial de Gleisi Hoffmann. 

Também em entrevista a’O Globo, o deputado estadual pelo PT fluminense, José Américo, defendeu o golpe:

“Diante dos resultados que foram muito abaixo das nossas expectativas, é importante que a gente antecipe o congresso do PT para 2021. Em função dos problemas que o partido enfrentou na eleição, temos que fazer um balanço, debater a nossa tática e renovar a direção”.

 

Crise interna e reforço da posição lulista

 

O mal-estar pelas declarações direitistas geraram uma forte repercussão. Ao Brasil 247, o também integrante da Direção Nacional do PT, Valter Pomar, lembrou que a expressão usada por Jaques Wagner, “refém de Lula”, apareceu em outra ocasião, porém dita por ninguém menos que Ciro Gomes.

Contestando a frase de Wagner pela sequência de eventos que marcaram as eleições de 2018, o dirigente petista lembra que “todos queríamos que Lula fosse candidato em 2018. Quem impediu sua candidatura foi o golpe, a condenação ilegal, a prisão injusta, a interdição fraudulenta.”

“Lula é refém do STF, que poderia e deveria declarar Moro suspeito e abrir caminho para a recuperação dos direitos políticos de Lula.  Mas há dois anos o habeas corpus está para ser julgado. E não vejo sinais de julgamento à vista, menos ainda de justiça. Portanto, se depender do STF, o PT será forçado a lançar outro nome à presidência da República”, conclui.

Posicionando-se também em defesa da candidatura de Lula, a presidenta golpeada, Dilma Rousseff, postou uma série de mensagens em seu Twitter, lembrando ainda que -ao contrário do que Jaques Wagner defendeu- “líderes com a força eleitoral e política de Lula, não surgem repentinamente”:

“Toda a direita, aí incluída a parte neoliberal e aquela que se disfarça de centro, em suas diversas graduações, se une mais uma vez para conter a ameaça que Lula representa para suas ambições.

Para eles, Lula não pode ser candidato, porque ganha a eleição. Defender e lutar efetivamente pela absolvição de Lula é a única saída para que surja um país democrático e com justiça social.

Devemos ter claro que líderes com a força eleitoral e política de Lula têm, em geral, histórias longas, não surgem repentinamente, pois são forjados em anos de lutas identificadas com o povo.”

 

Às ruas por Lula presidente!

 

Os setores populares, duramente atingidos pela política golpista desenvolvida pela burguesia, só tem um atalho seguro para acuar o golpe e colocar o regime político em crise: Lula.

Principal liderança da classe trabalhadora, o ex-presidente Lula encarna a tendência popular a não aceitar o regime de miséria, genocídio e terror representados pela direita, qualquer ala que seja, com o País se aproximando de 180 mil vítimas fatais do Coronavírus, uma pandemia melhor controlada em países onde o interesse popular se impôs aos interesses da burguesia.

Em meio ao terror dos assassinatos cometido por uma das principais bases sociais do bolsonarismo -a PM-, ameaçados pela carestia, o desemprego, o fim de um auxílio emergencial, os trabalhadores e as amplas massas devem ser mobilizados pelos partidos que de fato representam o interesse popular, na luta pelo “Fora Bolsonaro” e, como contraponto para evitar manobras da burguesia, por “Lula presidente”.

É preciso mobilizações de massas, em todo o País, para superar o regime genocida e impor, pela força do povo, uma nova política, que atenda a população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas