Esquerda pequeno-burguesa
Do ultra esquerdismo à conciliação?
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
alx_manifestacao-eleicoes-gerais-5_original
Fora todos, palavra de ordem do PTSU em meio ao golpe de Estado | Foto: Cris Faga/Folhapress

O Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU) em Salvador, Bahia, chama voto crítico no candidato à prefeitura da cidade pelo PSOL, Hilton Coelho. Em matéria intitulada: “Em Salvador (BA), PSTU chama voto crítico no PSOL”, publicada em seu site oficial, o Partido oficializou sua posição. Com esse apoio o PSTU  demonstra a sua disposição de fazer parte da frente-ampla, ou seja, a unidade da esquerda com a direita golpista tradicional, com aquela, a reboque desta, e cumprir o papel de ser sua ala “revolucionária”, que não pode faltar numa boa frente antipopular e antidemocrática deste tipo.

Na matéria citada, após uma preâmbulo em que o autor afirma o papel socialista, anticapitalista, ético e maravilhoso do PSTU, de sua campanha na periferia, nas cidades, nas fábricas, de suas combativas candidaturas, preâmbulo indispensável para seu objetivo, que é justificar o apoio à política de conciliação de classes, de frente ampla que tem o PSOL como um componente importante, o articulista do referido partido passa a análise das condições que levaram o partido a tomar essa posição.

Curiosamente, não é feita uma análise da situação política nacional, do caráter antidemocrático das eleições; das forças sociais em luta. Não se discute a política a ser adotada que contribua com o desenvolvimento da luta dos trabalhadores, dos explorados, dos oprimidos, mas simplesmente atem-se em realizar uma análise do perfil dos candidatos da esquerda e da direita. Após rejeitar todos eles, candidatos e partidos – obviamente, o PCO, que tem candidato em Salvador, sequer é citado -, chegou-se ao PSOL e seu candidato.  Ambos, também, são rejeitados, porém o PSTU, chama voto crítico, só referido o porque é crítico, mas não o porquê votar no PSOL; não diz uma palavra sobre qual é o sentido positivo desta política.

Vejamos um trecho:

Em todo o país, as candidaturas do PSOL tem se apresentado como gestores de um capital “mais humano”, como um PT requentado. Mesmo em Salvador, o candidato Hilton Coelho, de uma corrente da “esquerda do PSOL”, defende um programa insuficiente para resolver a fundo as necessidades da classe trabalhadora, do povo pobre e negro de nossa cidade.

E mais:

“Não tivemos condições de apresentar uma candidatura que expresse esta alternativa socialista e revolucionária em Salvador. Por este motivo, chamamos o voto crítico no PSOL e conclamamos os trabalhadores, jovens, negros e negras, mulheres e LGBTS a construir esta alternativa revolucionária”.

Tirando a confissão de oportunismo político, de apoiar um partido e um candidato simplesmente porque não pode lançar seu próprio candidato, mostrando que seu critério político não é favorecer aquilo que faz desenvolver a consciência, a organização e a luta dos operários e das massas oprimidas, qual o significado de apoiar um candidatura que não comunga em nada com as aspirações e o programa do Partido, como aponta a nota oficial publicada? Qual o ganho político para uma suposta política “revolucionária”?

Para o incauto a posição do PSTU aparece como um mistério da fé, porque apoiar exatamente o PSOL se se tem considerações como a expressa acima? No entanto, é mais simples de entender a posição do PSTU do que a Santíssima Trindade.

O PSTU está se deslocando para a política de frente ampla com a burguesia golpista, Da sua parte, o PSTU sempre traduziu de uma certa maneira a política da burguesia, mas agora “usa” o PSOL para buscar um “lugar” ao sol  na frente ampla. Não é mera semelhança a “nova” posição do Partido, com a política adotada pelo seu ex-dirigente Valério Arcary e o seu grupo, que aderiram de “mala e cuia” ao PSOL.

O PSOL é um dos partidos centrais na política de frente-ampla, seus dirigentes, os maiores animadores, sua atuação eleitoral uma primeira realização prática da frente-ampla. Desde o encontro Direitos já, sabiamente apelidado de direita já, que contou com a presença  dos maiores inimigos do povo brasileiro, como FHC, Luciano Huck, Armínio Fraga, Geraldo Alckmin, além de Guilherme Boulos, Marcelo Freixo, ambos do PSOL, dentre outros, o PSOL vem nessa política.

Marcelo Freixo, cotado como um dos principais candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro, retirou sua candidatura para favorecer o candidato do DEM, Eduardo Paes, o Partido dos Trabalhadores que apoiaria Freixo, diante da recusa, lançou sua candidata, Benedita da Silva, muito bem colocada nas pesquisas, no entanto, para favorecer a direita, o PSOL não a apoiou e lançou uma chapa direitista, cujo vice é um Coronel da PM, numa demonstração evidente em fazer coro com a direita golpista de “limpar a barra” de uma das instituições mais odiada pela população pobre dos morros e  favelas da cidade e também do Brasil.

Em São Paulo, a candidatura Boulos cumpre o papel de permitir com que a direita e sua imprensa venal faça campanha do isolamento do PT na cidade e no País, com o propósito de apontar o Partido como liquidado. Há inclusive uma campanha para que o PT retire sua candidatura, que vai da direita do PT até essa mesma imprensa, para apoiá-lo. ´É uma clara tentativa de agrupar a esquerda pequeno-burguesa e até setores proletários em torno do PSOL; esse movimento servirá para justificar a frente-ampla sem o PT na cabeça em 2022. Esse movimento serve também como base para a manipulação eleitoral, os votos do PT que sumiram nas pesquisas irão aparecer para alguém e é a burguesia quem irá escolher quem. O resultado será naturalmente positivo para Bruno Covas do PSDB e não para o Boulos, que participa da farsa sem denunciá-la.

Esse são alguns casos, mas a política de frente-ampla, de favorecer a direita tradicional e de adotar uma política conservadora de acordo com a direita tradicional, está sendo realizada pelo PSOL em todo o País.

O PSTU ao se aliar ao PSOL evidencia o caráter demagógico de sua “independência de classe”.   Da  política ultra esquerdista do “fora todos”, cujo, resultado prático era o apoio à direita golpista – o mesmo ocorreu em outros países, basta citar a Venezuela e o Egito – o partido agora abraça “criticamente” o PSOL, portanto a política da frente ampla, sob a cobertura de estar apoiando uma frente de esquerda. Trata-se de uma giro de 360 graus, ou seja, voltou para o mesmo ponto, pois continua a reboque da política do imperialismo, uma mera mudança de forma e não de conteúdo.

Os esquerdistas pequeno-burgueses vislumbram ocupar o lugar do PT não por seus méritos, pela luta de classes, mas pela destruição desse partido pelas mãos da burguesia,  na verdade como tolos acreditam que vão ocupar o lugar do PT, quando na verdade não passam de instrumentos para reabilitar a direita tradicional pelas mãos da frente-ampla.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas