Siga o DCO nas redes sociais

Uma política reacionária
PSOL quer apoio psicólogico aos profissionais da repressão popular
Proposta de deputada psolista recebe apoio das máfias da ALERJ e do governador fascista Wilson Witzel e vira Lei para dar apoio à máquina de guerra contra a população pobre e negra
deputados psol
Uma política reacionária
PSOL quer apoio psicólogico aos profissionais da repressão popular
Proposta de deputada psolista recebe apoio das máfias da ALERJ e do governador fascista Wilson Witzel e vira Lei para dar apoio à máquina de guerra contra a população pobre e negra
Deputados do PSOL-RJ: Renata Souza, estadual, e Marcelo Freixo, federal
deputados psol
Deputados do PSOL-RJ: Renata Souza, estadual, e Marcelo Freixo, federal

A deputada estadual Renata Souza (PSOL-RJ), comemorou nas redes sociais, a provação de Lei de sua autoria que “cria um programa de prevenção ao suicídio de policiais“.

A Lei 8591/19  institui o Programa de Combate ao Suicídio e Sofrimento Psíquico de Agentes de Segurança no Estado do Rio de Janeiro e depois de aprovada no covil de máfias políticas da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, antro de representantes dos grandes capitalistas, das milícias, das forças de repressão e guerra contra o povo do Rio, foi sancionada  pelo governador fascista Wilson Witzel – que comemora, entusiasticamente, a execução de trabalhadores, pobres e negros – eResultado de imagem para witzel comemora publicada no Diário Oficial do Poder Executivo no último dia 30.

Buscando justificar a media a parlamentar psolista afirmar que “o número de agentes mortos por suicídio é maior do q mortes em confronto. Isso mostra q a lógica de confronto tb atinge a saúde mental dos policiais”. Fica evidente que para ela, não se trata de parar a matança recorde que a PM e todo o aparato repressivo realiza todos os anos contra a população pobre e negra, com uma maioria de jovens, realizada cotidianamente e intensificada no governo reacionário de Wilson Witzel (PSC-RJ). Pelo contrário, seria o caso de dar apoio à essas organizações criminosas, amparado psicológico etc., para – como pretende o governo fascista do Rio – aumentar a sua “eficiência”, ou seja a sua letalidade e seu capacidade de repressão e terras contra a população. Por isso mesmo, o merecido apoio da direita fluminense à medida apresentada pela “socialista”.

Longe de se tratar de uma medida isolada da parlamentar, ligada ao grupo do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), a proposta é parte fundamental dos mandatos parlamentar dos psolistas no Rio. O próprio Freixo apresentou em seu mandatoResultado de imagem para Pm armado favela projeto de lei estadual para aumentar a eficiência da matança realizada pela Policia no Rio. Foi de sua autoria um PL que previa  que “armas e munições fossem testadas antes de serem entregues aos policiais“. Dentre as suas justificativas incluir-se o argumento de que 25% dos disparos dados pela Polícia do Rio falham.

Assim o deputado, da mesma forma que Witzel, Bolsonaro e toda a direita, pretendiam (apenas com diferenças de formas) dar mais eficiência à ação, por exemplo, da PM que mais mata no Brasil. Se aprovado, o projeto de Freixo, a PM que mata mais de mil pessoas por ano no Rio, quem sabe alcançasse, com armas testada, a marca de 1250 morto ou mais.

A ação do PSOL em favor das forças de repressão, também não se limita ao Rio. O partido anunciou com certo entusiasmo que “conseguiu reunir, nesta quinta-feira (31), as assinaturas necessárias para apresentar o recurso que leva o projeto de reforma da Previdência dos militares para ser avaliado pelo plenário da Câmara dos Deputados”. A “luta” do PSOl é por ampliar privilégios dados aos oficiais (e negados para dezenas de milhões de trabalhadores) na “reforma” da Previdência, para os baixos escalões das Forças Armadas.  Na semana passada, a Comissão Especial rejeitou um destaque apresentado pelo Partido estendendo o aumento de gratificação previsto no projeto a todos os militares e acabava com a diferenciação por cursos e qualificações.

Segundo sítio do PSOL, o partido quer combater a desigualdade, não denunciando o golpe do favorecimento dos militares de alta patente, mas defendendo a extensão dos benefícios para os militares, ä desigualdade pode ser revertida caso o recurso do PSOL seja aceito e o projeto seja avaliado pelo plenário da Câmara”, afirmam.