Agora sim, às ruas!
Indo contra a sua política de isolamento social desde março último, o PSOL juntamente com PCB e UP saem às ruas… pelas eleições.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Até ontem... #ficaemcasa, isolamento social, sem aglomerações, agora, o que importa: eleições | DCO

No dia de ontem, domingo, 27 de setembro, o PSOL de São Paulo juntamente com PCB e UP deu sua largada a campanha eleitoral de Guilherme Boulos e Luiza Erundina, com a inauguração de um comitê eleitoral em importante bairro da zona leste de São Paulo, São Mateus. Com a presença de cerca de 200 pessoas totalmente aglomeradas realizaram uma breve passeata por um quarteirão da Avenida Mateo Bei, até o comitê eleitoral, após ato na praça do bairro.

A atividade do Partido Socialismo com Liberdade apenas confirma o que o Partido da Causa Operária há tempos já havia denunciado, que o que move a esquerda pequeno – burguesa não é a luta da classe trabalhadora, mas as eleições e seus próprios interesses.

Em 2018 e 2019, por inúmeras vezes comitês de luta contra o golpe e o PCO chamaram o PSOL e sua militância para a luta contra a perseguição e a prisão de Lula, foram inúmeras manifestações em São Paulo, Brasília e Curitiba, o PSOL nunca apareceu.

Entre 2019 e 2020 se colocou a necessidade da luta pela derrubada de Jair Bolsonaro, o PCO foi às ruas, chamou comitês e Partidos, o PSOL nunca participou. Em 2020 inclusive, enquanto Bolsonaro aplicou todo seu plano de destruição da classe trabalhadora, com a maior destruição de direitos que um governo já havia feito, atingindo o maior desemprego da história, ao mesmo tempo em que, impunha o maior genocídio a população brasileira com mais de 140 mil mortos, o PSOL foi o partidário do “#Fique em casa”, se posicionando contra as mobilizações de rua.

Foram obrigados a sair às ruas quando as torcidas tomaram a frente e se colocaram a disposição para expulsar o fascismo das ruas, apareceu o PSOL, não para impulsionar, mas para acabar com o movimento, acordando inclusive com a Polícia Militar e justiça, que a esquerda sairia da Avenida paulista em São Paulo, para os fascistas se mobilizarem, dois domingos por mês, numa verdadeira traição a luta antifascista.

Mas eis que chegada as eleições, com mais de 700 mortes oficiais por dia, a política do “Fique em casa” acabou e o PSOL, juntamente com o colunista da Folha de São Paulo e defensor da GCM, Guilherme Boulos com sua vice, Luiza Erundina, que tem na privatização da CMTC um dos seus feitos contra os trabalhadores, chamou sua militância às ruas para defender a política de frente ampla em São Paulo, mas é por curto período, 45 dias, aí as eleições acabam.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas