Esquerda domesticada
O PSOL se apresenta como uma alternativa de esquerda ao PT, mais combativa e sem alianças com a direita. Mas o que vemos na prática é o oposto
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
freixo-e-paes-1280x720
Freixo e o golpista Eduardo Paes | Foto: reprodução
freixo-e-paes-1280x720
Freixo e o golpista Eduardo Paes | Foto: reprodução

O recente debate sobre a formação de frentes para as  eleições para a presidência da Câmara dos Deputados traz a tona o oportunismo político de diversos partidos da esquerda e uma enorme pressão para apoiar a escória da política nacional. O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) não é um partido ‘diferente’ como se apresenta para a população.

O PSOL que sempre se apresentou como um racha do PT mais ‘ideológico’, que não se alia com a direita, sem conchavos e rabo preso tem uma aparência de combativo, mas sempre terminar de braços e abraços com o setor mais sujo da política brasileira.

Sempre foi assim, mas desde o golpe em 2016, o PSOL com ser ‘ar’ de radical foi pelo caminho de apoiar uma política direitista em detrimento da esquerda e da luta contra o golpe. No caso mais recente das eleições para a presidência da Câmara dos Deputados está ocorrendo isso.

O PSOL encontra-se rachado em relação ao apoio ao candidato apresentado pelo bloco de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ainda não há um apoio formal ao bloco de Rodrigo Maia e segundo os caciques do partido estão em pleno debate e discussões acaloradas. Mas essa divergência, segundo os caciques do PSOL é apenas no primeiro turno, pois no segundo turno todos apoiam o bloco do golpista Rodrigo Maia contra o candidato de Jair Bolsonaro.

Isso porque Marcelo Freixo está em campanha externa ao PSOL e aberta em torno da candidatura apresentada pelo bloco de Rodrigo Maia. De acordo com o que publicou, Marcelo Freixo em suas redes sociais,

Nós democratas temos o dever histórico de impedir a reeleição de Bolsonaro em 2022. E derrotá-lo na disputa para a presidência da Câmara dos Deputados é etapa fundamental nessa caminhada. É preciso ter a clareza de que a eleição de 2022 começa agora, com a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados e do Senado. Por isso é muito importante que o PSOL, um partido fundamental na defesa da democracia dentro e fora do Parlamento, demonstre maturidade e fortaleça o bloco democrático que está sendo construído para enfrentar Bolsonaro”,

A campanha de Marcelo Freixo é tão suja que utiliza das redes sociais e da imprensa golpista para pressionar setores do PSOL a apoiar Maia. Um debate que deveria ser travado dentro do Partido, Freixo realiza nas redes sociais e com memes e com a imprensa burguesa para que outra ala do PSOL fique intimidada com a companha.

A posição de Marcelo Freixo é a mesma da deputada federal e vice-líder do partido da Câmara Fernanda Melchionna. A deputada defende que o Psol integre o bloco que está sendo construído pelo atual presidente da Câmara, o golpista Rodrigo Maia.

E existem setores do PSOL que divergem dessa posição não porque estão apoiando um direitista golpista que é um cão de guarda de Jair Bolsonaro, pois engavetou todos os 52 processos de impeachment contra Bolsonaro e sim, precisam da um ar de esquerda apresentando um candidato de fachada do PSOL para apoiar o direitista Rodrigo Maia no segundo turno. Que no caso é o grupo ligado ao deputado federal Ivan Valente. Em matéria do jornal Valor Econômico, Ivan Valente afirma que as eleições vão ser decididas em segundo turno e o apoio do PSOL pode se tornar ainda mais valioso.

A divergência entre os dois blocos que se formaram dentro do PSOL sobre o apoio ao candidato de Rodrigo Maia na Câmara é extremamente secundária e revela um oportunismo sem tamanho. A dúvida é a apoiar a direita golpista no primeiro ou no segundo turno, ou seja, vão cair nos braços dos candidatos do golpe e pais de Jair Bolsonaro.

 

O exemplo do  Rio de Janeiro

 

As eleições municipais deste ano no Rio de Janeiro mostraram bem que o PSOL sempre acaba nos braços da direita, em particular do partido da ditadura militar, os Democratas. Durante o primeiro turno das eleições, o PSOL se recusou a apoiar a candidata Benedita da Silva (PT) e lançou uma candidata sem nenhuma expressão e com as mesmas características da candidata petista: negra, pobre e moradora da favela.

Durante a campanha não se empolgou, mas quando foi para o segundo turno o bispo Marcelo Crivella e o “democrata” Eduardo Paes, o PSOL correu para dar apoio e realizar uma ampla campanha para “derrotar” o candidato de Jair Bolsonaro, Marcelo Crivella.

Antes mesmo da decisão do PSOL, Marcelo Freixo já declarava seu apoio a Eduardo Paes e aguardava a posição do partido em relação ao segundo turno numa enorme empolgação em “defesa” da democracia.

Outra figura importante do PSOL no Rio de Janeiro, o vereador Tarcísio disse pelo Twitter a mesma coisa que Freixo.

A única coisa certa é que seremos oposição. Uma oposição responsável, que tem como foco o projeto de uma cidade feita por e para as pessoas. Amanhã, o PSOL decide de forma coletiva a posição do partido sobre o 2⁰ turno. Defenderei pelo CRIVELLA NUNCA MAIS!”.

São apenas dois exemplos que apesar de se dizer combativo, diferente do PT, que não faz alianças com a direita, o PSOL sempre acaba nos braços da direita. Esse é o histórico do PSOL desde a sua criação.

A foto famosa da então senadora Heloísa Helena em comemoração a derrota do PT na votação sobre a reforma da previdência ao lado de figuras da ditadura militar como Antônio Carlos Magalhaes (DEM)e outros elementos da direita brasileira, a recusa em lutar contra o golpe em 2016, apoiar a operação do imperialismo da Lava Jato e o juiz golpista Sérgio Moro, entre muitos outros fatos mostram uma forte tendencia do PSOL em seguir a política da direita. E não por mera confusão política, mas por interesses de cargos e recursos como vimos nas discussões entre a bancada do PSOL na Câmara.

Para se combater o bolsonarismo, a esquerda está se aproveitando e fazendo aventuras políticas que somente vão fortalecer a direita, seja ela do centrão ou do governo Bolsonaro, mas em nada a esquerda.

Essa é a política da frente ampla defendida pela burguesia brasileira e que o PSOL é um dos principais defensores dentro da esquerda. Não é por acaso que a burguesia está buscando de todas as maneiras mostrar o PSOL como “combativo” e uma alternativa moderna ao PT e ao ex-presidente Lula como vimos amplamente durante as eleições em 2020.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas