Siga o DCO nas redes sociais

Campanha eleitoral
Psol: censura e demagogia parlamentar não é lutar contra Bolsonaro
Deputado do Psol entra com representação contra Bolsonaro por ter chamado jornalista de homossexual
bancada psol
Campanha eleitoral
Psol: censura e demagogia parlamentar não é lutar contra Bolsonaro
Deputado do Psol entra com representação contra Bolsonaro por ter chamado jornalista de homossexual
Bancada do Psol é campeã de levantar cartazes e fazer discursos. Imagem: Sítio Psol.
bancada psol
Bancada do Psol é campeã de levantar cartazes e fazer discursos. Imagem: Sítio Psol.

Ao ser questionado sobre o envolvimento de Flávio Bolsonaro em esquema de corrupção, Jair Bolsonaro disse ao jornalista “você tem uma cara de homossexual terrível. Nem por isso eu te acuso de ser homossexual. Se bem que não é crime ser homossexual.“ Não há dúvida de que a declaração é conhecida baixaria de Bolsonaro e da extrema-direita, que é usada para esconder o verdadeiro conteúdo de sua política de ataques contra o povo.

Não há dúvida também que é preciso denunciar, combater e lutar pela derrubada de todo o aparato golpista que se apoderou das instituições. A única coisa que não se deveria fazer é usar essas mesmas instituições contra Bolsonaro. Mas é exatamente o que está fazendo o deputado distrital do Psol, Fábio Félix.

Segundo informações do próprio sítio do Psol, o deputado entrou com uma “representação contra o presidente Jair Bolsonaro por prática de racismo com recorte LGBTfóbico. A medida encontra respaldo na recente decisão do Supremo Tribunal Federal, que equipara a LGBTFobia ao crime de racismo no Brasil.” Fábio Félix está usando a lei recentemente aprovada pelo STF de criminalização da homofobia para atacar Bolsonaro.

É mais uma demostração de completa demagogia parlamentar por parte do Psol. Primeiro porque é difícil acreditar que o Judiciário golpista realmente tomará alguma medida efetiva contra Bolsonaro. Portanto, a política do deputado do Psol serve apenas como propaganda eleitoral contra o presidente golpista. É uma medida que não ássa de uma campanha eleitoral, melhor dizendo, uma tentativa de enganar os incautos de que o Psol estaria realmente lutando contra Bolsonaro.

Há ainda outro aspecto importante da questão. Ao entrar com representação contra algo que o presidente golpista falou, o deputado do Psol só está reforçanco o caráter repressivo do Judiciário. Bolsonaro afirmou que o jornalista tem “cara de homossexual, mas que ser homossexual não é crime”. Por causa disso, o deputado do Psol acha que pode calar Bolsonaro, mas na realidade o STF pode entender que não.

Será que dá para ter alguma dúvida sobre qual será a decisão do STF? Será que Bolsonaro será preso por ter falado isso? Difícil de acreditar.

Mas, com base na lei de criminalização da homofobia, uma pessoa que não seja o presidente da República, ou seja, que não tenha esse poder, pode ser condenado por falar algo muito menor do que o que foi dito por Bolsonaro.

No final das contas, é para isso que serve a tentativa de censura e a demagogia parlamentar. Apenas para reforçar o domínio da direita. Enquanto isso, Psol e a maioria da esquerda se recusam a levantar claramente e mobilizar em torno da palavra de ordem de fora Bolsonaro.