Golpismo dentro da esquerda
O PSOL, sobre o pretexto da “necessidade de união” pela “democracia”, lança a frente ampla eleitoral e alia-se com os setores mais antidemocráticos e golpistas do regime político
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
freixo reforma injusta (1)
Marcelo Freixo fazendo o que sabe fazer de melhor: abanando cartazes no ar-condicionado do Congresso | Foto: Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

Nesse ano de 2020 estão marcadas, até então, as eleições para prefeituras municipais em todo país. E a norma imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral é que essas eleições aconteçam em descompasso de dois anos com as eleições para governadores, senadores e a presidência da república. Dois anos se vão de governo Bolsonaro, com uma destruição avassaladora do País, e o foco da esquerda se vira novamente para as eleições. Dessa vez, o PSOL aparece como partido abre-alas para a direita. 

No Rio de Janeiro, o parlamentar do PSOL Marcelo Freixo saiu destacado como uma das figuras da ala mais direitista de toda esquerda. Em todas as eleições anteriores o candidato se apresentava como o esquerdista mais popular do pleito, e por isso era dever de toda esquerda e todo setor democrático votar e fazer campanha para ele. Isto é, se unir em torno da sua candidatura. 

Recentemente, renunciou a sua candidatura. A atitude aparentemente incoerente, e até certo ponto o é, como qualquer política pequeno-burguesa, oscila e vacila. Mas por que essa atitude agora? Para colocar em marcha uma política de aliança com o setor mais direitista do regime político. O que Freixo apresenta, e isto toda a ala majoritária do PSOL, como a “necessidade de união”, é unir-se com os setores golpistas. 

O PSOL-RJ não vai apoiar a candidata da esquerda, que seria Benedita da Silva (PT), que seria de longe a candidatura mais popular, mas irá lançar uma figura secundária. O plano é simples, e inclusive destacado na boca do próprio parlamentar: apoiar o “fulano” do PSOL para se colocar a serviço do senhor Eduardo Paes (DEM) no segundo turno. Uma manobra antidemocrática e uma traição ao povo. 

Uma manobra inclusive já bem revisitada na história recente, que diz respeito as manobras da burguesia para permanecer com seus políticos de preferência, a direita do regime político, sobre o controle do aparato do Estado burguês. É nesse sentido que o PSOL entra com tudo nas eleições de 2020 para ser uma cara mais “esquerdista” das manobras dos exploradores da população. 

A tática seguiu o mesmo a mesma forma anterior, em diversas oportunidades. Foi o que fez Marina Silva em 2010 e, principalmente, em 2014, quando assumiu a candidatura de Eduardo Campos. A estratégia quase deu certo e por pouco Aécio, o candidato agitador do golpe de Estado, não ganhou. Ciro Gomes fez algo semelhante nas eleições fraudulentas de 2018. 

Em São Paulo, a orientação é a mesma. Lançar Guilherme Boulos para levar um verdadeiro bandido político ao segundo turno. Como Russomano, uma figura golpista e totalmente alinhado com o bolsonarismo, para apoiá-lo e fazer campanha para ele contra João Doria (PSDB). É uma política catastrófica e deve ser denunciada e combatida como uma manobra golpista. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas