Final da Champions
Final da Champions, com a derrota do PSG, revela que time francês só chegou a final graças a incrível superioridade de Neymar e outros brasileiros.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
psg-bayern-munich-champions-league-final-gfx_1g28r8vigcarf1ckxe7e90078x
Burguesia intensifica campanha contra Neymar e pró-Lewandowski | Reprodução Internet

A final do torneio mais rico do mundo, a UEFA Champions League, teve como vencedor o principal time do imperialismo alemão: Bayern de Munique. Contudo, seu resultado está longe de representar a superioridade do futebol europeu, mas sim, a sua enorme dependência do futebol latino-americano.

De um lado, o time alemão, vencedor graças a clássica estratégica européia: formação compacta, encarniçada, em sua grande maioria formada por “geladeiras” que servem como paredão para destruir, na força, qualquer investida habilidosa do craque brasileiro, Neymar, que liderava o ataque adversário.

Longe de grandes lampejos de habilidade, o time alemão jogava da maneira mais bruta possível, moviam-se como robôs ao ataque e a defesa, em uma formação única e pouco dinâmica. Suas principais jogadas, e seu ponto crucial para a vitória, como as goleadas feitas anteriormente, estavam longe de ser Lewandowski, o centravante polaco queridinho da imprensa, que tinha suas participações limitadas a apenas chutar ao gol. Mas sim, a habilidade de jogadores com origem africana como Kingsley Coman, Thiago Alcântara, filho de brasileiros, e por fim o próprio brasileiro Philippe Coutinho, que dinamizavam as jogadas de ataque, utilizavam-se de sua habilidade e criatividade para organizar a investida alemã.

Do outro lado, o time empresarial do Paris Saint Germain, se comportou como de costume em todo seu período de investimento capitalista estrangeiro. Um time frágil, principalmente graças a seus laterais e o inexistente meio-campo. Diferentemente da brutalidade alemã, o time francês havia chegado até a final graças a qualidade individual de grandiosos jogadores latino-americanos, principalmente do brasileiro Neymar, melhor jogador do mundo, e o zagueiro Marquinhos, grande defensor como também artilheiro. Mesmo o argentino Di Maria, longe de estar em seu auge, tinha uma habilidade nitidamente superior a qualquer bruto alemão. O restante do PSG, não era bruto, e muito menos técnico, sendo esmagados pelos alemães.

Ficava exposto que o PSG havia chegado tão longe sendo praticamente carregado nas costas por estes grandes jogadores, que no esforço individual, fizeram um time mediano chegar a final da mais disputada competição do mundo. Contudo, na fragilidade de seu meio campo, apenas existente graças as investidas encarniçadas do italiano Verrati, o ataque de Neymar e companhia ficou paralisado. Diversas foram as vezes onde Di Maria e Neymar necessitaram atravessar todo o campo para criar jogadas, como até as participações de Marquinhos no meio-campo e ataque para ajudar seus companheiros.

No fim, os únicos que ganham nesta final é o imperialismo. Neymar, o melhor jogador do mundo, já sofreu inúmeras sinalizações da imprensa burguesa que poderá perder o título, dado pelos mesmos, para o robótico Lewandowski. Contra a habilidade latino-americana, o imperialismo tenta se prevalecer com a força.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas