Direita criminosa
A rejeição da população de Porto Alegre ao governo do PSDB deixa claro que a pressão para a volta das aulas presenciais não parte dos trabalhadores
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-09-02 at 18.40.31.jpeg
A educação infantil no ensino básico é foco de alto contágio por coronavírus. | Foto: Ricardo Giusti / CP Memória.

A prefeitura de Porto Alegre, do prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB-RS), está forçando uma volta às aulas na capital, mesmo sob a não orientação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), e do governo estadual, de mesmo partido.

No entanto, essas duas instâncias se calam descaradamente diante da ofensiva genocida do direitista, contribuindo com a volta arriscada dos estudantes diante dos perigos ainda iminentes da pandemia, tentando tirar o corpo fora, pois a decisão é completamente impopular, atendendo apenas a pressão de empresários do setor privado.

Segundo o divulgado pela Prefeitura, as aulas estão previstas para voltar nesta segunda-feira (5) para os alunos do ensino infantil, do 3º ano do ensino médio e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A capital se encontra no processo de transição da fase vermelha para a fase laranja e, segundo o planejamento de abertura, o recomendado é esperar mais duas semanas até poder analisar novamente os riscos da pandemia.

É importante destacar que mesmo este planejamento de abertura foi feito de forma completamente irresponsável, pois não espera que os estudantes sejam vacinados na volta, jogando-os aos riscos. Diante ainda desse planejamento criminoso, Marchezan ignora completamente as recomendações. Os jornais da imprensa burguesa continuam divulgando que o índice de contaminação e morte vem caindo drasticamente, no entanto, o País já chega a 145 mil mortes por coronavírus, e crescendo.

Marchezan disputa as eleições municipais de 2020 buscando a reeleição, no entanto, seus índices de rejeição são altíssimos. Mesmo financiando a máquina da imprensa local, pesquisas do Instituto Methodus indicam que 74% da capital reprova seu governo, e que 64% consideram sua gestão péssima ou ruim. Isto é, o prefeito é inimigo do povo e rejeitado pela grande maioria.

A decisão de volta às aulas ainda em 2020 sem ao menos ter vacinado a população são desejos de um setor minúsculo do País, referente aos empresários do setor privado das escolas. Estes setores forçam “negociações” com o poder público que, infestado de golpistas, ignoram os perigos e jogam a população ao risco, cedendo à pressão dos empresários que só pensam em lucrar.

A rejeição da população de Porto Alegre ao governo do PSDB deixa claro que a pressão para a volta das aulas presenciais não parte dos trabalhadores. Estes que, mesmo precisando do apoio das escolas para a segurança de sua prole enquanto ganham o pão, temem os riscos da doença. Os pais sabem dos riscos que correm com as crianças e, com razão, enxergam o ambiente escolar como totalmente propício ao contágio, ainda mais no ambiente de ensino básico, ou até mesmo de educação infantil, onde o controle precisa ser mais rígido.

Mesmo com a rejeição, é preciso que os estudantes secundaristas e os trabalhadores da educação se mobilizem para denunciar largamente essa volta arriscada às aulas, que se parece mais com uma tentativa de genocídio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas