Pandemia
Devido à negligência dos capitalistas frente à crise sanitária mundial de 2020, Itália já se encontra em meio a uma segunda onda do novo coronavírus seguindo a tendência mundial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
vincenzo-de-luca-2
Vincenzo de Luca, governador da Campânia. | Foto: Reprodução.

Nesta sexta-feira (9), o governador da Campânia, Vincenzo de Luca, afirmou que a Itália viverá meses mais difíceis daqueles vistos no começo do ano caso a tendência de crescimento de casos da covid-19 se mantenha no país.

O momento mais difícil da Covid-19 não ficou para trás, ele ainda está na nossa frente. Preparemo-nos para ter meses – se as tendências em curso se confirmarem – ainda mais pesados do que aqueles de janeiro a maio. Disse o governador da região cuja capital, Nápoles, é a maior e mais importante cidade da Itália meridional.

A região soma 16.464 contágios confirmados desde o início da pandemia, sendo que 5.109 foram registrados nos últimos 13 dias. Em 18 de maio, quando a Itália saiu do lockdown, a Campânia somava 4.695 casos e 399 óbitos – agora são 470 mortes na região.

Além disso, o governador colocou que, neste momento, teremos dois fatores agravantes que, no começo da crise, não estavam lá: a volta às aulas presenciais e a temporada da epidemia gripal. Ademais, em live, De Luca explicou que o objetivo para a epidemia na Itália é buscar um equilíbrio entre o número de pessoas infectadas e o número de pessoas curadas pela doença. Segundo ele, deve-se buscar algo entre 500 a 600 pessoas curadas para 700 novos casos.

Apesar do que é divulgado pela grande imprensa, a pandemia do novo coronavírus está longe de ser controlada e, como visto acima, a situação da Itália é uma ótima prova disso. No começo, foi a mais afetada pela doença, sendo exemplo para o resto do mundo de o que o coronavírus, nas mãos do neoliberalismo, pode fazer. Depois, passou por um período de relaxamento devido à diminuição no número de mortos e infectados .Todavia, seguindo a tendência europeia, participa da segunda onda pandêmica, retornando ao estágio em que se encontrava no começo do ano.

O que deve ficar claro é que esse crescimento observado na Itália não vem por falta de sorte dos italianos, mas sim pela ação direta dos grandes capitalistas. Afinal, o principal motivo pelo qual o isolamento social e a quarentena efetiva não são instituídos é a pressão exercida pela burguesia sobre os governos locais. Exemplo disso é a própria volta às aulas presenciais que, como já comprovado por diversos institutos e organizações, será responsável pela morte de centenas de milhares de pessoas e pelo agravamento generalizado da pandemia em escala mundial.

Na Espanha vemos a mesma coisa: a presidente da comunidade de Madrid, Isabel Díaz Ayuso, se recusou, frente à um aumento alarmante dos casos na cidade, a adotar medidas restritivas. Por conseguinte, a situação se agravou cada vez mais, a ponto de o próprio presidente da Espanha, Pedro Sánchez, intervir. Todavia, o Tribunal Superior de Justiça de Madrid, proibiu as medidas de Sánchez, colocando a situação no país em uma posição extremamente incerta e confusa.

No final, esperar que a situação mundial melhore nas mãos da burguesia é acreditar em mágica. Finalmente, sua administração serve inteiramente aos interesses do imperialismo que está unicamente interessado na manutenção do capitalismo e no aumento de suas próprias riquezas. Prova disso é que, em lugares como Cuba e Venezuela, a situação já está controlada sem grandes perdas. Nesse sentido, a única saída que se mostra a mais sustentável no que diz respeito ao número de pessoas que morrerão durante o processo é a própria tomada do poder pela classe operária. Caso contrário, não podemos prever o estrago que será feito à humanidade pela negligência do grande capital.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas