Europa em crise
Manifestações por toda a Europa expõem a fragilidade dos governos neoliberais do bloco diante da crise capitalista e da pandemia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
19656530494_5665d1e917_b
Estátua do traficante de escravos Edward Colston em Bristol, Reino Unido. | jordin57

A maior crise da histórica do capitalismo – turbinada pela pandemia do coronavírus – tem sido um terreno propício para revoltas populares. O assassinato do afro-americano George Floyd por um policial branco na semana passada é a fagulha.

A Europa, continente que representa todas as contradições e extremos do capitalismo em decomposição, foi varrida nesse último domingo, 7/6, por manifestações massivas e que evoluíram para uma maior radicalização, qualitativamente falando.

A capital da União Europeia, Bruxelas, reuniu cerca de 10.000 pessoas. Conflitos com a polícia ocorreram em Matonge, bairro tradicional de comunidade africana.

No Reino Unido, sem dar a mínima para a proibição das autoridades, milhares de britânicos manifestaram-se em Londres pelo segundo dia consecutivo, além de em outras localidades. Em Bristol, no sudoeste da Inglaterra, a estátua de 120 anos do comerciante de escravos Edward Colston foi arrancada do pedestal, pisoteada e lançada ao rio pelos manifestantes. As autoridades condenaram o “vandalismo”, o que obviamente não incomodou em nada os manifestantes. Até o descendente de Colston, segundo o canal de notícias burguês CNN, teria dito: “tudo bem”.

Um dia antes, em Londres, houve confrontos entre manifestantes e policiais. Na França mais de 20.000 pessoas se manifestaram. A Alemanha também reuniu multidões. Copenhague, Budapeste, Madri, Barcelona e Roma também tiveram manifestações reunindo de centenas a milhares de pessoas.

A organização Comunidade Negra, Africana e Afrodescendente na Espanha (CNAAE) convocou manifestações em dez cidades espanholas: de Pamplona, no Norte, até o arquipélago das Canárias, na costa oeste da África.

A Europa reúne uma riqueza imensa, fruto de todo o desenvolvimento acumulado das forças produtivas, da pilhagem imperialista e da escravidão – a assalariada de hoje ou aquela que existia nas colônias -, e ao mesmo tempo, possui áreas extremamente pobres onde vivem parcelas da população cujas condições de vida estão muito abaixo do resto da população. E isso ocorre nas maiores economias do bloco, como Alemanha, França e Reino Unido. Essa população marginalizada é quase sempre nascida na Europa mas descendente de imigrantes vindos da África, Ásia e América Latina, o que faz com que a desigualdade social na Europa tenha um forte teor de racismo. Combinação mais explosiva para levantes populares não há, e assim deve ocorrer cada vez mais, já que a burguesia europeia e seus governos não tem conseguido dar conta nem da crise econômica nem da pandemia do Covid-19.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas