América Central
Nesta quarta-feira (29), ocorreu uma passeata na Cidade do Panamá contra a Reforma Trabalhista proposta por entidades patronais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maxresdefault
Marcha de trabalhadores na capital Cidade do Panamá | Reprodução.

Sindicatos e trabalhadores realizaram uma marcha nesta quarta-feira (29) contra a reforma trabalhista na Cidade do Panamá capital do país.

A retirada de direitos trabalhistas está sendo proposta pela entidade patronal Câmara de Comércio, Indústria e Agricultura do Panamá.  No dia 13 de julho, o projeto de reforma trabalhista foi apresentado na Assembleia Nacional. Diversas conquistas históricas da classe trabalhadora são retiradas, o que acirrou a luta de classes no país centro-americano.

O Panamá é um dos países mais desiguais do mundo. Antes da pandemia do COVID-19, quase metade dos panamenhos se encontrava na situação de informalidade laboral. Estima-se que a taxa de desemprego vai subir 20% nos próximos meses e 230.000 contratos de trabalhadores devem permanecer em suspenso.

O projeto de reforma trabalhista acaba com a estabilidade no emprego e permite demissões até 31 de dezembro deste ano. Além disso, a licença-maternidade é extinta. Os trabalhadores denunciam a imposição da reforma, que não foi discutida com suas entidades políticas e sindicais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas