Fora Piñera!
Chilenos continuam com a insurreição popular contra a política neoliberal do presidente de extrema-direita Sebastián Piñera
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
5e53ca23e9ff7161d1148a4f (1)
Protesto no último domingo em Viña del Mar. Foto: Leandro Torchio / Reuters |

Da redação – Começou ontem (23) a 61ª edição do Festival Internacional de Música de Viña del Mar, cidade litorânea do Chile. No entanto, as atrações não foram as bandas e músicas, e sim os violentos protestos da população contra o governo neoliberal de extrema-direita do presidente Sebastián Piñera.

Foram reportados diversos incidentes, dentre os quais o ataque de manifestantes encapuzados ao Hotel O’Higgins, o que fez com que os hóspedes e funcionários saíssem correndo em debandada para longe do local. O prédio da Prefeitura, uma sucursal do Banco do Chile, o terminal de ônibus e vários comércios também sofreram com a onda de indignação popular causada pelas políticas de destruição da vida do povo chileno levadas a cabo por Piñera e pelos sucessivos governos desde o início da ditadura fascista de Augusto Pinochet.

A repressão, entretanto, não tardou a chegar. Os Carabineros – polícia militar formada durante o regime pinochetista – dispararam bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água contra os manifestantes.

Os protestos tiveram o apoio de artistas participantes do Festival, como o cantor portorriquenho Ricky Martin e o humorista chileno Stefan Kramer.

“Que se expressem, que exijam o básico: os direitos humanos. É básico, não pedimos nada. Eu estou contigo, Chile. No Chile e fora do Chile estarei contigo sempre”, declarou Martin durante um programa do canal TVN.

Já no primeiro dia de Festival houve muitos gritos contra Piñera por parte do público. O presidente chileno, que volta ao “trabalho” após três semanas de férias, disse que o mês de março será usado para fabricar acordos “para o bem do povo”, tentando manobrar para se livrar da insatisfação popular.

“O governo se preparou para resguardar a ordem pública e impulsionar um março de acordos, para aumentar as aposentadorias, criar o salário mínimo garantido e melhorar a saúde. Acordos e não violência é o caminho”, publicou Piñera em uma rede social.

O povo, no entanto, pede o Fora Piñera. Até mesmo as pesquisas mais manipuladas e favoráveis ao presidente direitista apontam que ele não tem apoio da população. Segundo levantamento da Public Square da Cadem, divulgado hoje (24), somente 12% dos chilenos dá algum tipo de aporte ao sucessor ideológico de Pinochet.

Infelizmente, porém, a esquerda chilena não entende os anseios do povo e não levantou em nenhum momento a questão do poder como luta fundamental, pedindo a derrubada do governo. Pelo contrário, aderiu às propostas da direita por um grande acordo nacional que leve para o ramo institucional as lutas de rua, a fim de desmobilizar os trabalhadores e manter Piñera e a direita no governo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas