Genocídio
PM executa mais um jovem negro em São Paulo e ainda alega resistência. Crianças presenciam a cena covarde
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
PM
PM realizando a violênca cotidiana contra o povo | Reprodução.

No dia 26 novembro, a Polícia Militar de São Paulo cometeu outro assassinato de um jovem negro na periferia de São Paulo. Desta vez a vítima foi o jovem que se chamma Wenny, de apenas 18 anos. Segundo informações de moradores, familiares e testemunhas que presenciaram toda ação da policia militar, o jovem foi executado dentro de uma casa na frente de duas crianças; “Ele foi morto à queima roupa, ele já tava rendido, os policiais levaram-o para o banheiro mandaram ele tirar a camisa e em seguida atiraran covardemente”, disse um morador da comunidade de Vera Cruz em São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, onde ocorreu a execução.

A Polícia Militar de São Paulo de João Dória (PSDB) forjou mais uma vez uma suposta resistência armada da vítima, alegando que o jovem teria ameaçado a integridade física dos policiais. Mas, segundo o relato dos moradores, o jovem estava rendido e não teve chance de se defender diante da covardia dos policiais.

A alegação de que haveria uma resistência, ou “auto de resistência” como ficou conhecido, é um procedimento padrão utilizado por décadas pela polícia militar para esconder as milhares de execuções à queima roupa realizadas pela PM todos os meses. Como uma forma de fazer demagogia diante do genocídio direcionado contra os trabalhadores, moradores da periferia, pobres e especialmente negros, a polícia supostamente eliminou o “auto de resistência” da corporação. Entretanto, continua forjando a mesma situação de resistência para justificar os assassinatos. Frequentemente as testemunhas têm medo de testemunhar contra a polícia, por medo de represálias e o que acaba acontecendo é que prevalece a versão dos assassinos.

Como protesto diante de mais uma execução cometida pela PM moradores da região protestaram e interditaram a avenida Sapopemba por horas, tacando fogo em objetos como forma de bloquear o trânsito e demonstrar a revolta diante da perda do jovem negro para o braço armado do Estado.

Fotos dos protestos realizados pelos moradores em São Mateus, Zona Leste de São Paulo.

O governador João Dória do PSDB, que governa o Estado de São Paulo há 30 anos é responsável direto por mais essa morte e pela chacina que levam ao assassinato de mais pessoas no estado de São Paulo durante um ano, mais do que a pessoas são assassinadas em todo Estados Unidos da América durante cinco anos.

É preciso lutar pelo fim da polícia militar, um braço armado fascista que realiza uma guerra e um genocídio contra o próprio povo. Não há defesa da lei, da justiça pela PM, mas a violência simples e pura contra o povo pobre e a defesa dos milionários que cada vez mais empurram o povo para uma vida miserável e sem direito algum.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas