Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
PHOTO-2019-03-20-13-51-43
|

Por Elson Concepción Pérez, no Granma*

Frustrados, talvez, pelos fracassos em seu plano contra a Venezuela e por não conseguirem os resultados exigidos pelo governo de Donald Trump, vários líderes, representantes da direita e da extrema direita da América do Sul, acabam de assinar um documento para criar o que chamaram Fórum para o Desenvolvimento da América do Sul (Prosul).

Além dos objetivos de consolidar a aplicação de políticas de direita na região; fortalecer o plano de privatizações, pacotes e outras medidas contra os mais despossuídos, a instituição nascente tem em seu foco imediato acabar com a Unasul e, de passagem, fraturar a unidade dos países daquela região, além de continuar promovendo, sob a égide de Washington, todo tipo de ações contra a Venezuela, a Revolução Bolivariana e o presidente constitucional Nicolás Maduro.

O local não poderia ser melhor e o anfitrião perfeito: o Chile e seu presidente Sebastián Piñera. E se alguma coisa está faltando nesta avaliação, vamos deixar que seja Juan Guaidó, o impostor autoproclamado presidente interino da Venezuela, quem esclareça com sua explicação aos convidados por quê ele não pôde participar da reunião e esclareça a natureza desse encontro: «Eu agradeço o convite de países irmãos para fazer parte deste dia histórico na união de nossos povos. Estamos organizando a Venezuela toda para dar cabo da usurpação, que será o triunfo da democracia, da liberdade e do retorno da estabilidade na América do Sul», escreveu no Twitter.

Esse é o cenário em que a Prosul nasceu com ventos do Norte, um filhote cujo objetivo alicerça na destruição da Unasul, organização fundada em 2008, que agrupou todos os países daquela área geográfica e criou muitas expectativas de solidariedade, união e desenvolvimento comum, durante os governos progressistas de Cristina Fernández na Argentina, Lula e Dilma no Brasil, Evo Morales na Bolívia, Hugo Chávez na Venezuela e Rafael Correa no Equador.

Agora a direita e a extrema direita acreditaram que chegou o momento e sabem muito bem que, aproveitando as fraquezas da esquerda e recebendo o apoio total dos Estados Unidos e fraturando o que foi uma incipiente união sul-americana e latino-americana, podem avançar mais rápido em seus objetivos.

Destruir a Unasul, dividindo a Celac, desmoronando a Petrocaribe, é equivalente, para aquela extrema direita e seus senhores do Norte, a um triunfo que será bem pago, onde personagens como Michael Pompeo, John Bolton, Marco Rubio, Elliot Abrams e o próprio Trump não poupam esforços para esses propósitos.

O outro objetivo do Prosul é derrubar a Revolução Bolivariana e o governo do presidente constitucional Nicolás Maduro. Talvez por isso a insistência de que Guaidó participasse do encontro no Chile.

Lá estavam Mauricio Macri, com sua Argentina entregue aos projetos do Fundo Monetário Internacional; o brasileiro Jair Bolsonaro, rotulado como o “Trump dos trópicos”, o mesmo que ao chegar à capital chilena disse que «tentará, junto com os demais presidentes sul-americanos, selar o fim da Unasul».

Iván Duque também participou, segurando as rédeas de uma Colômbia em que centenas de líderes sociais e indígenas morrem sem justiça e onde o próprio presidente insiste em mudar os Acordos de Paz assinados com as FARCs e, é claro, o anfitrião Sebastián Piñera, absorvido na promoção de uma direita subordinada a Washington de tal forma que ele até deu ao presidente Trump uma bandeira norte-americana com a pequena bandeira chilena inserida, o que dá a imagem de aspirar a ser mais uma estrela desse estandarte.

Menção separada para Lenin Moreno, o presidente equatoriano, o mesmo que já expulsou a Unasul de sua sede construída no chamado centro do mundo, perto de Quito, e que decidiu demolir o monumento a essa grande figura da integração sul-americana: Néstor Kirchner.

Também fizeram parte do tratamento de desintegração da unidade sul-americana, os presidentes do Peru e do Paraguai, sem muita proeminência, mas fiéis peões do que Washington diz.

A história em breve colecionará o nome desses personagens como perfeitos testas-de-ferro da administração Trump, determinada a retornar ao tempo da Doutrina Monroe, com a América Latina como seu quintal.

* Os artigos reproduzidos não expressam necessariamente a opinião deste diário ou do Partido da Causa Operária

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas