Futebol e capitalismo
Uma campanha fortalecida pelos dois projetos de leis que tramitam no Congresso Nacional, mais especificamente no Senado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
50196610707_06e84fa67d_k (2)
Artur, jovem jogador cearense, craque do campeonato paulista com o Troféu do Interior 2020 | Red Bull Footbal site Flick

Sempre é inspirador quando vemos o surgimento de um jogador que honre a tradição dos craques brasileiros. Artur Victor Guimarães de 22 anos foi eleito o craque do Paulistão e do Interior pela votação promovida pela Federação Paulista de Futebol. Além disso, conseguiu liderar sua equipe para ganhar o Troféu do Interior sobre o Guarani e logicamente fazer parte da Seleção do campeonato paulista.

É um belo reconhecimento para este fortalezense revelado pelo Ceara e contratado pelo “Verdão” em 2016, mas sem conseguir espaço no time titular, foi emprestado em 2017 para Novorizontino para o Paulistão e para o Londrina para Série B e novamente em 2019 para o Bahia onde foi campeão estadual e disputou a série A, depois de ter feito parte do elenco palmeirense campeão brasileiro em 2018.

A dimensão deste reconhecimento é ainda maior quando vemos que ser escolhido como craque do campeonato pela federação paulista jogando por um time do interior sem ter chegado às semifinais do campeonato é algo inédito.  Nem o elenco do Ituano campeão em 2014 ou o do Vice Campeão Audax conseguiu esta proeza. Como também fracassou o histórico elenco de 1990, vencedor da final caipira entre o Massa Bruta e Novorizontino.

Logo impressiona ainda mais que a votação dos técnicos e capitães dos 15 outros quinze times do campeonato para craque tenha sido  para um jogador do time do interior superando os elencos do trio de Ferro . Qual seria a razão para que estes profissionais tenham reconhecido o talento de Artur? Uma hipótese que podemos formular é que estes profissionais estejam influenciados e estimulados pela campanha que a imprensa burguesa tem enaltecer a conversão do Bragantino em clube-empresa ao ser adquirido pela multinacional austríaca de bebidas energéticas.

Uma campanha fortalecida pelos dois projetos de leis que tramitam no Congresso Nacional, mais especificamente no Senado com poderosos lobbies e com apoio de vários dirigentes de clubes como o atual presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, o atual presidente do Atlético Mineiro, Sérgio Sette Camarâ e o eterno presidente do Conselho deliberativo do Atlético Paranaense, Mario César Petraglia entre outros.

O discurso, sempre o mesmo, é que ao se tornar empresa o clube vai receber investimentos de grandes grupos internacionais o que parece ter acontecido com o Bragantino, ainda que abrindo mão do seu escudo, das suas cores e até do seu nome, e só faz um ano que a conversão foi realizada. Não se pode esquecer do desespero do Figueirense ano passado e do fim melancólico do Palmeiras-Parmalat e do Corinthians-MSI. O objetivo do clube-empresa é acabar com os clubes, com as torcidas organizadas, enfim, acabar com mais um dos patrimônios do povo brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas