Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
20190624160640_9dcf5637f327ac4a8347aa44f372b17fa7e6f8ea30dfc684fcf905601dee3e8e
|

O promotor fascista Cassio Roberto Conserino, do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) está perseguindo as lideranças do Movimento dos Sem-Teto do Centro (MSTC). Conserino é conhecido pelo seu histórico de militante “antipetista” e “anticomunista”e por ofensas ao ex-presidente Lula.

O advogado Lúcio França, que representa o MSTC, denuncia que o promotor age por meio de acusações fraudadas e arbitrárias, essencialmente políticas e direcionadas contra os movimentos sociais de esquerda, procedimento típico de ditaduras.

Cassio Roberto é autor da denúncia contra 19 lideranças da luta por moradia, entre elas Carmen Ferreira e Preta da Silva. O promotor fascista ainda foi um dos que apresentou denúncia que atribui o triplex do Guarujá ao ex-presidente Lula, o que lhe custou a condenação e a prisão. No caso de Carmen e seus filhos, o promotor fascista utilizou um inquérito policial criado para investigar as responsabilidades pelo incêndio e desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, em 1º de maio de 2018.  Contudo, o Movimento Social de Luta por Moradia (MSLM) era quem dirigia a a ocupação, e não Carmen.

Os advogados dos trabalhadores sem teto argumentam que ao invés de apurar as responsabilidades sobre o desabamento do prédio, Conserino aproveitou-se e promoveu todos os tipos de ataques e perseguições aos movimentos de luta por moradia no centro de São Paulo. Uma das perseguições do promotor, que visa criar fatos políticos para serem publicadas na imprensa burguesa e desmoralizar os movimentos populares e facilitar a repressão, foi de acusar lideranças do MTSC de extorquir, por meio da violência, moradores pobres das ocupações.

No caso, trata-se uma perseguição política do promotor Conserino e do Ministério Público de São Paulo ao Movimento Sem Teto do Centro (MSTC) e à luta por moradia. Os processos são claramente políticos e baseados em factoides fabricados para prender as lideranças e, com isso, desarticular o movimento, abrindo precedentes para uma maior perseguição a todos os movimentos populares, em meio a um golpe de Estado com cada vez mais características fascistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas