Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Na próxima segunda-feira (5), o Senado Federal apresentará um anteprojeto de lei sobre o combate às “notícias falsas” – fake news – com vistas a criar o ambiente propício (à direita) nas eleições previstas para Outubro de 2018. Há a expectativa de que a mudança legislativa siga a mesma linha de um seminário realizado no final de 2017, intitulado “Fake News e a Democracia” que, de forma camuflada, tratou da censura às notícias na internet sob o pretexto de fazer valer o inciso IV do artigo 5º da Constituição Federal – “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”.

Na prática, o Senado busca vincular cada notícia a um CPF para poder, sumariamente, retira-la do ar e punir seu criador. Há, inclusive, projeto de lei do senador Ciro Nogueira (PP), que busca enxertar no Código Penal o crime de “divulgação de notícia falsa”, com punições de até 5 anos de reclusão.

Tratado como um novo fenômeno social, a difusão de notícias falsas vem sendo apontada como peça fundamental na vitória de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos em 2016, fato até o momento absolutamente indigesto pela ala mais poderosa do imperialismo mundial. Entretanto, as mentiras eleitorais são o tradicional método de controle eleitoral da direita mundial, sem o qual nem um de seus impopulares candidatos venceria.

Tanto nas eleições norte-americanas quanto nas brasileiras, a luta contra as notícias falsas não passa de um pretexto para aumentar ainda mais o controle sobre os viciados processos eleitorais que proliferam sob a fracassada égide da ditadura da burguesia.

Graças à imprensa alternativa, que vem ganhando cada vez mais espaço, as indústrias antipopulares de notícias vêm perdendo a importância e a credibilidade, o que torna inevitável a criação de censores. A conjuntura brasileira, por exemplo, mostra que, mesmo com todos os esforços políticos e jurídicos para impedir a emblemática candidatura de Lula, o ex-presidente continua a personificar, na ótica de grande parte da população, toda a luta contra o Golpe de 2016 e seus cada vez mais graves desdobramentos. Consequentemente, não obstante as condenações judiciais e os constantes ataques por parte da imprensa, a popularidade do ex-presidente só aumenta, o que leva a burguesia a buscar ferramentas mais eficazes de controle de notícias.

O suposto combate às informações falsas é tão flagrantemente mentiroso que sua implemento figura como prioridade para a Polícia Federal, para a Justiça Federal e para a ABIN, instituições estreitamente próximas dos setores mais nocivos do imperialismo norte-americano.

Mais uma vez o discurso da censura vem disfarçado pela nobre roupagem da verdade e do jogo limpo. Contudo, assim como todo dispositivo que visa proibir a livre expressão, a lei será usada majoritariamente em prejuízo do povo, de forma a reforçar a exclusividade dos grandes grupos de comunicação como detentores únicos da verdade. Não por acaso, a Folha de São Paulo, a emissora Globo e outros veículos cujo golpismo, a esta altura do campeonato, dispensa apresentações, vêm empenhando esforços para se consolidarem como incansáveis perseguidores da honestidade e da verdade.

Finalmente, o objetivo disso tudo é o retirar do ar todas as notícias que divirjam do consenso oportunista do monopólio da direita sobre a imprensa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas