Proibido defender Lula? Justiça autoriza “uso de força” contra o acampamento Marisa Letícia

nao-tem-arrego

Os golpistas fizeram todas as manobras ilegais para trancar Lula na masmorra de Sérgio Moro, o Mussolini de Maringá. Agora, de maneira sorrateira e mais ilegal ainda, se organizam para reprimir com o uso da força física os manifestantes que se colocam em defesa de Lula.

O juiz golpista Jailton Juan Carlos Tontini, em uma decisão fascista e arbitrária, permitiu o uso da força policial para a remoção de barracas que estão no acampamento Marisa Letícia, em Curitiba, em defesa da liberdade para Lula. Uma medida de situações típicas de estado de exceção em ditaduras militares.

Os manifestantes que estão lutando pela liberdade para Lula se revoltaram contra a medida. Segundo os organizadores do acampamento: “exigimos das autoridades a manutenção da vigília e o direito a permanecer com essa estrutura mínima para atender nosso principal contato com a sociedade, que é a solidariedade e recepção diária”.

É preciso denunciar sistematicamente essas manobras fascistas contra a população. Tais medidas demonstram a disposição truculenta da burguesia para prosseguir o golpe de estado, cuja intenção para o momento, é deixar Lula apodrecendo na cadeia de Moro e impedir que dispute e assuma a presidência da República no próximo pleito eleitoral.

A luta contra o golpe é o embate político da classe operária na atual conjuntura. Essa luta deve passar, necessariamente, pela construção de uma gigantesca greve geral pela CUT e por tempo indeterminado, ou seja, até a liberdade para Lula e sua participação livre nas eleições, a anulação do impeachment de Dilma e o fim da intervenção militar no Rio de Janeiro.