Medidas ineficazes
Passa a valer na cidade de São Paulo a proibição de todos e qualquer artefato de plástico como medida de “proteção” ambiental
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
esgoto-rio-tiete-1-scaled
A mesma direita que deixa o rio Tietê sujo se preocupa com o uso dos plásticos | Foto: reprodução

Desde 1° de janeiro passado passou a valer no município de São Paulo a Lei municipal nº 17.261, de 13 de janeiro de 2020 proíbe estabelecimentos comerciais de fornecer aos clientes “copos, pratos, talheres, agitadores para bebidas e varas para balões de plásticos descartáveis”. A medida vale para uma série de estabelecimentos hotéis, bares, restaurantes, padarias, espaços para festas infantis, clubes noturnos, salões de dança, entre outros, e uma medida tão absurda é obrigatório até em eventos culturais e esportivos.

A medida foi proposta pela direita paulista e tem como justificativa redução da produção de lixo, uso de materiais “adequados” ambientalmente, e também como uma medida de “educação” ambiental. Colocamos entre aspas os termos adequados e educação porque são absurdas e partem como uma medida de propaganda que não contribuem em nada para a qualidade de vida da população e muito menos para o meio ambiente.

Também é importante lembrar que essa lei ‘inspirou’ outra proibição absurda que é a utilização de canudinhos plásticos e que por mais absurda que pareça contou com o apoio de toda a esquerda pequeno burguesa paulistana. Isso porque desde 2015, os paulistanos estão proibidos de receber  gratuitamente sacolinhas plásticas de supermercados e estabelecimentos comerciais para carregar suas compras e se estiverem interessados em carregar com sacolinhas tem que pagar para o estabelecimento. Talvez porque sacolas gratuitas provoquem poluição, já as mesmas sacolas sendo alas e gerando lucros para os supermercados não poluam.

 

A esquerda vive propagandeando uma direita ‘civilizada’

 

A medida foi proposta por elementos da direita paulistana. O vereador do Partido Verde, Xexéu Trípoli, propôs a proibição e está sendo parabenizado pela medida que supostamente ‘reduz’ o lixo na cidade de São Paulo. Esse vereador e outros elementos da direita paulista surfam na onda da demagogia para a população, em especial para a classe alta e média da cidade, e fazem suas carreiras políticas em torno da ‘redução’ do lixo, nas questões ambientais e nos direitos dos animais.

Esses partidos sempre são ligados aos elementos mais podres da política nacional como o PSDB, sendo seus anexos por anos e apoiando suas medidas de destruição total do Estado de São Paulo.

A direita fazer essa demagogia não tem nada de estranho, mas o que chama a atenção é a esquerda apoiar essas medidas de maneira incondicional. Desde a proposição dessas leis, passando pela votação, aprovação e implementação a esquerda não denuncia nem mesmo a demagogia da direita. Em vez disso vai a reboque e tenta tirar proveito dessa demagogia.

É mais um elemento de confusão política dos trabalhadores que odeiam a direita, mas ao mesmo tempo observam a esquerda elogiando e apoiando políticos da direita. Fato importante para a manutenção do PSDB comandando o estado de São Paulo e a capital.

 

Mais medidas ineficazes para esconder a total paralisia da prefeitura

 

A lei mencionada não passa de mais uma demagogia da direita, que visa responsabilizar a população pelos problemas ambientais causados pelo capitalismo. Além de não contar com o apoio das camadas mais populares da cidade, essas medidas são totalmente ineficazes para sua suposta justificativa. Não reduzem a quantidade de lixo, as cidades não ficam mais limpas e muito menos serve como ‘educação’ ambiental para a população porque são medidas impostas e que sempre vem com multas que enchem o caixa das prefeituras arrancando mais dinheiro da população e do comércio popular.

A prefeitura tucana de Bruno Covas, o mesmo que assinou a medida de proibição de produtos plásticos, cortou em 27,09% do orçamento para as 32 subprefeituras da cidade de São Paulo. Esse corte vai ser realizado principalmente na área de limpeza e manutenção das ruas da cidade, como o ‘Cata Bagulho’ que retira entulhos, além da redução da coleta de lixo no município.

A população de São Paulo vive com essas medidas há algum tempo como a proibição da lei da sacola plástica e dos canudinhos e não houve nenhuma melhora sequer da limpeza da cidade, de redução da produção de lixo, de lixões sobrecarregados e muito menos de melhora da qualidade de vida das pessoas. A única coisa que houve foi que os trabalhadores pagam mais pelas sacolas e os comerciantes recebem multas e enchem o caixa das prefeituras.

 

A culpa é da direita

 

A esquerda tem que denunciar que o problema não são os plásticos e que a população não deve ser responsabilizada e exposta a ainda maiores arbitrariedades por parte do poder público com a aplicação de multas. Os responsáveis pela crescente poluição e destruição dos recursos naturais são os governos neoliberais e as grandes empresas, e em São Paulo o PSDB e seus satélites, que agem à vontade em prol dos seus interesses econômicos e degradam o meio ambiente sem nenhum tipo de responsabilização perante a sociedade.

Proibição de copos, sacolas e canudos plásticos tem maior ligação com uma guerra entre setores da burguesia que criaram um nicho de mercado “sustentável” com produtos mais caros e com maior taxa de lucro para empresários que apesar do discurso não estão interessados no meio ambiente e sim no lucrativo mercado do politicamente correto que não muda em nada a situação atual.

A esquerda precisa em vez de apoiar, denunciar a demagogia da direita porque é a verdadeira culpada da destruição ambiental, da sujeira nas ruas da cidade, da situação dos lixões e da situação da população da cidade.

Estas medidas travestidas de discurso ambiental funcionam como meio para aumentar o poder repressivo estatal e fazer propaganda demagógica, enquanto os efeitos benéficos são mínimos ou nulos. É estranho que os mesmos políticos que apóiam o governo bolsonarista – que tem diminuído a fiscalização ambiental, facilitado a importação de agrotóxicos banidos em outros países, acabado com incentivos à agricultura familiar e assistido a desastres ambientais como Brumadinho sem mover uma palha – estejam realmente preocupados com o meio ambiente. Em São Paulo o caso do rio Tietê deixa ainda mais escancarado os argumentos colocados nesta matéria porque o PSDB está no governo há décadas e muitas gestões na capital, e o rio continua da mesma maneira: poluído e com um cheiro insuportável. Evidencia que o “combate” aos plásticos pela direita são medidas para criar mais mecanismos de repressão da população e de encher o caixa da prefeitura através de multas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas