Manifestação
Situação na saúde pública francesa é preocupante
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1-lam-fra-pro (1)
Manifestação de profissionais de saúde | Foto: Reprodução/Prensa Latina
A convite dos sindicatos do setor, os profissionais de saúde retornam hoje às ruas desta capital e de outras cidades francesas para exigir melhorias nos salários e nas condições dos hospitais públicos.

 

A mobilização nacional segue a realizada em 16 de junho, quando dezenas de milhares de pessoas protestaram contra as políticas do governo, em um dia que incluiu confrontos e prisões em Paris, atribuídos à infiltração na marcha de membros do violento Bloco Negro.

De acordo com os sindicatos, as medidas anunciadas pelo Presidente Emmanuel Macron e pelo Ministro da Saúde Olivier Véran são insuficientes para resolver a situação econômica de seus membros e fortalecer o hospital público.

O executivo colocou sobre a mesa um pacote de seis bilhões de euros para aumentar os salários das profissões paramédicas e prometeu 300 milhões de euros para reavaliar a renda dos médicos hospitalares, números que os sindicatos consideram não corresponder às expectativas.

Estaremos nas ruas até que nossas exigências sejam atendidas, queremos pesar nas decisões políticas, disse a secretária-geral da CGT-Salud, Mireille Stivala, na véspera.

Por sua vez, o líder da SUD-Salud Jean-Marc Devauchelle acusou o governo de não levar em conta os profissionais do setor.

Como resultado da crise sanitária causada pelo Covid-19, houve um aumento das queixas sobre a privatização, o fechamento de leitos e a falta de recursos nos hospitais públicos, um cenário que está ligado ao grave impacto no solo francês do coronavírus SARS-CoV-2, responsável por quase 30.000 mortes.

Quando a pandemia chegou ao país em março, os profissionais de saúde vinham se mobilizando há meses para exigir melhorias.

O Presidente Macron, além de reconhecer o trabalho de médicos, enfermeiros, técnicos e outros durante a luta contra o Covid-19, admitiu erros em suas políticas no setor e prometeu revalorizá-lo.

Entretanto, os sindicatos consideram que os recursos indicados pelo executivo são insuficientes para enfrentar a crise.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas