Paraná
Iniciativa dos professores aponta para a necessidade de mobilizar a categoria, vinculando reivindicações imediatas ao eixo político da luta contra o governo bolsonarista do Paraná
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020.11.18 Professores ocupam ALEP
Momento em que professores furam o bloqueio da segurança para ocupar a ALEP | Reprodução

Durante a tarde de ontem (dia 18), professores e funcionários da escola pública ocuparam a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (ALEP) contra os ataques do governador Ratinho Jr. (PSD). O governador bolsonarista do Paraná tem atacado sistematicamente a categoria e no último período lançou uma nova ofensiva, com medidas como a militarização de 232 escolas e a realização de prova objetiva para a seleção de professores e funcionários temporários, os chamados PSS (Processo Seletivo Simplificado).

Professores e funcionários voltaram a se mobilizar recentemente, quando circulou a notícia que o governo de Ratinho Jr. faria uma mega projeto, o maior no País, de militarização das escolas, colocando policiais militares para gerir escolas administrativa e pedagogicamente. Enquanto atacava pelo flanco ideológico, o governo lançou abriu o edital 47/2020, que impõe a realização de prova objetiva para a seleção do PSS.

Desde então, a categoria fez vários atos na capital e chegou a ocupar a SEED (Secretaria de Estado da Educação) por duas vezes. Uma há duas semanas, outra ontem, com professores indígenas. Desde do início desta semana, após um novo ato na capital parananense, a categoria montou uma tenda na praça em frente ao Palácio do governo e começou a receber professore de outras regiões do estado, preparando um acampamento exigindo que o edital da prova para PSS fosse revogado.

Foi quando souberam, nesta terça, que o governo mais uma vez adiaria a reunião com a categoria, para discutir a reivindicação, que professores e funcionários da escola pública, sobretudo os PSSs, ocuparam a ALEP para exigir que a reunião fosse realizada ainda na quarta a noite.

 

“Hoje somos 50, se não tiver resposta amanhã seremos 50 mil”

 

Com essa fala, que pode ser ouvida no vídeo da ocupação, os professores e funcionários mostram que estão dispostos a lutar contra o governo bolsonarista do Paraná pela a revogação da prova para PSS, pela extinção das escolas militares e pela realização de concursos públicos para a contratação de professores e funcionários, afetados pela terceirização irrestrita dos governos da direita que passaram pelo Paraná.

O deputado professor Lemos (PT), deu o informe de que os líderes do governo disseram que poderiam fazer a reunião nesta quinta (19) caso a categoria desocupasse o prédio da ALEP. A categoria corretamente repudiou o informe e exigiu que a reunião fosse feita ainda nesta quarta.

https://www.facebook.com/appsindicato/videos/833012710869560

https://www.facebook.com/watch/live/?v=204686327852491&ref=watch_permalink

 

Militarização das escolas

 

O governo colocou a toque de caixa, 232 escolas para fazerem a consulta sobre a adoção do modelo de escolas militares, que ficaram conhecidas pela categoria como Escolas Com Fascismo. Em poucos dias o governo mobilizou elementos de direita, inclusive em cargos de chefia em NREs (Núcleos Regionais de Educação) ou mesmo da comunidade escolar, como pais direitistas e da extrema direita, para assediar a comunidade escolar a votar pela aprovação da escola militarizada.

Em locais onde a esquerda se mobilizou, o governo foi derrotado na votação. No entanto, esta mobilização foi insuficiente e a maior parte das escolas aderiu ao modelo da militarização. É preciso acabar com essa tentativa do governo em impor um regime de terror nas escolas.

 

Mobilização e greve

 

Está claro que a situação no Paraná está se agravando e que o confronto com o governo bolsonarista de Ratinho Jr. é inevitável. Por isso, a categoria não deve procurar diálogo com setores do governo golpista, mas sim colocar todos os seus recursos na mobilização dos professores e funcionários, para impor uma derrota ao projeto fascista de militarização da escolas, a derrota da prova para PSS e mais, a realização de concursos públicos para suprir os quadros insuficientes de professores e funcionários na Escola Pública do Paraná.

Por isso, nós da corrente Educadores em Luta, saudamos a ocupação da ALEP e chamamos os professores e funcionários a barrarem a ofensiva fascista no Paraná através da única arma que nós trabalhadores temos: o poder da nossa mobilização.

Está na hora de construir a greve pelo Fora Ratinho, Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas