Mobilizar para a greve
Ratinho Jr. quer a demissão de 30.000 professores e funcionários e militarização de 232 escolas estaduais, nenhuma trégua ao governo golpista do Paraná
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Assembleia estadual APP Sindicato
Assembleia APP Sindicato 2019 | Foto: Reprodução

Os professores continuam mobilizados contra o ataque de Carlos Roberto Massa Jr. aos professores, alunos e funcionários do ensino público do Paraná, desde quando o fascista do PSD vem tentando impor escolas militarizadas, além de preparar um corte de cerca de 30 mil desses educadores e funcionários.

No dia 18, os professores e funcionários ocuparam a Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP). Ratinho Jr. quer transformar 232 escolas do Estado em escolas militarizadas, que a categoria classificou como Escola com Fascismo, ou seja, geridas por militares, tanto administrativa como pedagogicamente. E se aproveitando da situação quer fazer uma limpa de professores e funcionários que poderão ser demitidos devido às medidas que vêm sendo tomada juntamente com a militarização das escolas, pelo fascista Ratinho Jr. através de edital 47/2020, onde quer impor a realização de prova objetiva à seleção de professores e funcionários, o chamado Processo seletivo simplificado (PSS).

Na última quinta-feira (19), um dia após a ocupação, os professores e funcionários saíram da ALEP pela manhã, no dia anterior, a justiça, braço direito do fascista Ratinho Jr. emitiu um mandato de desocupação, o qual determinava multa diária de R$ 30.000, no entanto, a APP sindicato acabou cedendo à pressão.

Apesar disso, os professores e funcionários determinados a não deixar a mobilização arrefecer, decidiram acampar no em frente ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico e fazer greve de fome que, ontem completou 96 horas, quatro dias.
Uma grande parcela dos trabalhadores terceirizados não chegam a receber nem o salário mínimo regional, que hoje corresponde à R$ 1.077,00 e esses trabalhadores, devido ao final do ano, encerrarão os contratos, correm o risco de sua grande maioria ficar até mesmo sem essa mixaria.

Porém, a direção da entidade sindical APP sindicato prefere, ao invés de impulsionar a mobilização dos trabalhadores diante do brutal ataque do governador bolsonarista do Paraná, tentar o “diálogo”, numa capitulação sem tamanho contra os professores e funcionários, a exemplo do ofício emitido e endereçado ao Ratinho Junior, que não considerava questão de estado os ataques anteriores das 232 escolas militarizadas, por exemplo, mas somente após o edital 47.

Veja trechos do ofício da CUT ao Ratinho Jr:

“A Central Única dos Trabalhadores – a CUT Brasil acompanhando atentamente o desenrolar dos acontecimentos referente às discussões que a Categoria dos Professores e funcionários de Escolas das Públicas do Estado do Paraná e sua entidade representativa a APP/Sindicato travam junto ao governo do Estado, com relação a não realização da Prova do PSS e também a outros temas relativos a progressões e promoções que a base da educação pública tem pautado sem sucesso junto ao governo do Estado.

Porém, no caso da Prova do PSS a situação saiu do âmbito do controle da Secretária Estadual de Educação e virou problema de Estado, aguardando resolução por parte da Casa Civil do Estado do Paraná. Assim como a responsabilidade política pela Greve de Fome iniciada há mais de 96 horas (quatro dias) por parte de 47 professoras e professores oriundos de diversos núcleos sindicais que compõem a APP/Sindicato, incluindo entre os grevistas o próprio presidente da APP o professor Hermes Silva Leão, e também a professoras Taís Adams membro da Executiva da CUT no Estado do Paraná”.

Mobilizar para a greve

Está bastante evidente que não há diálogo com o governo golpista, portanto é preciso organizar a categoria que, aliás, está bastante radicalizada, mas colocar todos os seus recursos na mobilização dos professores e funcionários, para impor uma derrota ao projeto fascista de militarização das escolas, a derrota da prova para PSS e mais, a realização de concursos públicos para suprir os quadros insuficientes de professores e funcionários na Escola Pública do Paraná.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas