Seguir Exemplo dos Professores
Frente a campanha e ameaça dos capitalistas da educação em impor a volta as aulas em meio há mais de 64 mil mortos no país, professores dizem não! E decretam greve contra genocídio
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Sinpro RJ (1)
Assembleia virtual com quase 600 professores aprova greve contra volta às aulas em meio a pandemia | Sinpro - RJ

Aconteceu no último sábado, 4 de julho, de forma virtual, assembleia unificada do Sinpro-Rio (Sindicato dos Professores-RJ), com a participação de cerca de 600 professores e professoras da rede privada.
Esta assembleia seguiu o exemplo da Apeoesp de São Paulo que nos últimos dois meses realizou também importantes reuniões virtuais da categoria.
A assembleia teve como ponto central a discussão e organização da luta dos professores cariocas sobre a questão da volta as aulas com a pandemia ainda em ascensão no país, em razão da pressão dos capitalistas do setor que querem aumentar ou manter seus lucros mesmo com o risco da contaminação dos alunos e trabalhadores, assim como a inexistência de políticas sanitárias e de saúde dos governos fascistas de Bolsonaro, Witzel e Marcelo Crivella, que impõe na realidade, a política oposta de apoio ao lucro às custas das vidas de milhares de pessoas.
Resolutamente mais de 90% dos presentes votaram a favor da greve pela Vida, dizendo NÃO ao retorno às aulas presenciais, que estão sendo ensaiadas pelos governos golpistas. Deixando bem claro que a menor tentativa de impor a volta às aulas em meio a pandemia, colocando em risco crianças, adolescentes, famílias e trabalhadores a greve estará deflagrada. Foi aprovado a realização de nova assembleia para o dia primeiro de agosto, mas, caso haja necessidade, esta data pode ser antecipada.
De acordo com o presidente do Sinpro-Rio, professor Oswaldo Teles, o retorno somente acontecerá com a garantia das autoridades de saúde, com base em rígidos protocolos sanitários e de segurança, além de ampla discussão na sociedade. “O Sindicato se pauta no respeito às instituições científicas de saúde, como a Fiocruz. Estudos científicos deixam claro que não há condições para uma volta tranquila e segura neste momento. A GREVE É PELA VIDA! Os professores e as professoras continuarão trabalhando com base no ensino remoto até as autoridades de saúde confirmarem o retorno com segurança, com plano de retorno e protocolos rígidos.”
Contra o genocídio da população os professores cariocas aprovaram as seguintes propostas:
1) Greve em defesa da vida.
2) Não ao retorno das atividades presenciais nos estabelecimentos de ensino privados no município do Rio de Janeiro, agora.
3) Retorno somente com a garantia das autoridades de saúde, com base em rígidos protocolos de segurança.
4) Próxima assembleia: Dia 1° de Agosto, com possibilidade de antecipação, caso os patrões não recuem.
O exemplo dos professores da rede privada carioca e do Sinpro-RJ deve ser seguido por todos os trabalhadores e seus sindicatos que devem sair do isolamento e se movimentar no sentido de mobilizarem para combater a política genocida dos golpistas e dos capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas