Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
professores chegando na paulista - cut
|

Professores de mais de 100 escolas da rede particular de ensino de São Paulo interromperam suas atividades nesta terça-feira 29 e aderiram às manifestações da categoria

Em assembleia realizada na tarde desta terça-feira (29), a ampla maioria dos professores da rede particular de ensino de São Paulo, aprovou manter o estado de greve.

O Sinpro-Sp é o sindicato dos professores das escolas particulares, aprovou em assembleia que é preciso manter as cláusulas sociais do Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) por um ano. Depois da assembleia, a categoria fez uma passeata da sede da entidade, na vila Clementino, até a Av. Paulista.

Também foi aprovada em assembleia, por milhares professores, que se os patrões não assinarem o acordo na próxima semana, eles vão parar outra vez na próxima quarta-feira (6/6), afirma Silvia Barbara, diretora do pelo Sindicato dos Professores (Sinpro-SP).

A principal pauta da categoria na campanha salarial em andamento é manter as cláusulas sociais, como férias de 30 dias remuneradas e bolsa de estudo para os filhos dos professores, entre outros.

A greve dos professores naturalmente diz respeito a luta dos trabalhadores em geral contra a nefasta reforma trabalhista que o golpe implementou. É  necessário, para a sobrevivência dos direitos dos trabalhadores, derrotar a reforma trabalhista, é para isso derrotar o golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas