Professora negra da UFBA é ameaçada por bolsonarista; é preciso criar comitês de autodefesa e barrar a extrema-direita

ufba

Da redação – Nesta terça-feira, dia 23 de outubro, veio a público mais um relato de uma ameaça realizada por bolsonaristas que tentam intimidar todos os que se opõem ao avanço da extrema-direita no país. Dessa vez, a vítima foi a Dra. Denise Carrascosa, professora do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e militante do movimento negro.

De acordo com o que foi relatado a professora foi interpelada no saguão do Instituto de Letras por um elemento fascista pró-Bolsonaro que ameaçou a professora dizendo: “Professora, depois do dia 28, a senhora vai ver”. Vale a pena lembrar que a UFBA tem sido palco de frequentes ataques da direita contra militantes de esquerda direta e indiretamente, seja através das pichações com dizeres racistas nos muros e banheiros da universidade, seja através das ameças diretas aos integrantes dos movimentos sociais como no caso da professora Denise Carracosa.

A Reitoria da Universidade emitiu uma nota na qual denuncia o caso e repudia o avanço das ações violentas da direita.

É importante destacar que, com o aprofundamento do Golpe de Estado no Brasil avançam também as ações fascistas contra o conjunto da população e sobretudo direcionadas aos integrantes de movimentos populares e de esquerda. O avanço da extrema-direita deve ser combatido nas ruas pelo movimento de massas organizado.

Para combater a extrema-direita e garantir a segurança do povo é preciso que em todos o lugares sejam formados comitês de luta contra o golpe e que estes comitês organizem também ações de autodefesa dos militantes e do conjunto da população, formando os comitês de autodefesa.

É preciso criar milhares de comitês, em faculdades, locais de trabalho, bairros de periferia, escolas e todos os locais em que for possível para travar a luta direta contra a extrema-direita e colocar em cheque o avanço da direita.