Desmoronando
Indústria automobilística teve queda de 20,8% no mês de fevereiro. Foram produzidos 204.197 automóveis, comerciais leves, e caminhões em 2020 contra 257.939 produzidos em 2019
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
o-uso-do-aco-no-setor-automobilistico-acoplano
Indústria automotiva depende de importação de peças da China |

Em comparação com o mês de Fevereiro de 2019, a queda foi de 20,8%, informou a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) nesta 6ª feira (6.mar.2020). Foram 204.197 automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus produzidos no mês contra 257.939 produzidos em 2019. Comparados a fevereiro de 2018, também houve queda. Queda menor, mas queda. O produzido no presente ano foi menor em 4,3% em relação a fevereiro de 2018, quando foram produzidos 213,5 mil carros, comerciais leves (picapes e furgões), caminhões e ônibus. Somando os dois primeiros meses de 2020, a produção no bimestre foi de 395.928 unidades. Queda de 13,4%, na comparação com o mesmo período de 2019, quando o setor produziu 457.084 unidades em janeiro e fevereiro.

Exportações em queda no ano

Em fevereiro houve queda nas exportações de veículos. Foram 37.677 unidades vendidas em 02/2020, contra 40.510 no mesmo mês de 2019. No acumulado, o volume está 11,2% menor. “As dificuldades são as mesmas: Argentina, México, Colômbia e Chile estão em queda. Exportação continua sendo um desafio para o setor”, disse Moraes.

Dólar e juros

O presidente da Anfavea vê volatilidade acima do normal no dólar e diz que “alguma coisa precisa ser feita”, pedindo “menos barulho em Brasília”. O executivo também questionou a situação atual dos juros para o consumidor final (CDC), que voltou a subir neste ano. “Não entendo. A Selic está caindo, a inadimplência está sob controle”.

Nervosismo

Disparada do dólar, o desmoronamento nas cotações de bolsas de valores, o coronavírus, e agora a instabilidade provocada pela crise entre o presidente e congresso, afetam a confiança das pessoas para consumir e investir, desabafa Moraes. “Precisamos de um pacto pela estabilidade”, disse. “Precisamos de menos barulho e mais atenção à questão do crescimento econômico”.

Coronavírus ameaça parar a indústria automobilística

Coronavírus, a epidemia que nasceu na China e espalha-se pelo mundo, acaba de também ao Brasil chegar, com duas dezenas de casos, pode afetar as montadoras ao final de março e começo de abril, adverte Luiz Carlos Moraes, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. As importações de peças da China são 13% da totalidade necessárias para a indústria automobilística do Brasil.

A recuperação econômica precisa ser acompanhada de forte produção industrial. Sem isso, a recuperação é uma farsa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas