Água será para poucos
Com privatização, povo pobre ficará sem água em plena pandemia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
_96603968_f7c1e62b-d346-4ad0-a569-7335354e8291
Falta de água já é uma realidade, e irá apenas piorar. | Blueberries/Getty Images

Com o anuncio da possível aprovação da medida que visa permitir a privatização de toda a água em território nacional, entregando diretamente os recurso às grandes empresas imperialistas, uma série de denuncias passaram a surgir por todos os locais, vindas da população, demonstrando pela prática o crime que está sendo realizado contra o povo brasileiro.

Em Manaus, a privatização da água já é uma realidade. No ranking das dez piores cidades em coleta de esgoto, Manaus tem seu saneamento básico e toda água privatizadas. Os “benefícios” dados a população com isto não foram o baixo preço da água, e muito menos a satisfação de seus clientes com o grande poderio capitalista, mas sim o fato de que apenas 12,43% da população tem acesso ao minimo de recurso, chegando ao ponto de estar pior que Belém e Macapá, cidades com grande pobreza, e sobretudo a primeira, com grande nível populacional.

Se há aqueles que venham comentar que a ação não é mágica ou imediata, vale lembrar que a privatização da água na capital do Amazonas não é de hoje, mas sim, desde o ano 2000, 20 anos atrás!

Como era de se esperar, o saneamento privatizado de Manaus vem a liderar o ranking de reclamações. Porém, aqui estamos falando de Manaus, uma capital conhecida por sua pobreza em um país atrasado. Mas, se nos dermos a pretensão de nos compararmos com a qualidade de vida dos países imperialistas não conseguiremos também muitos resultados.

Em todo mundo mais de 260 cidades desprivatizaram seus serviços de água, inclusive Paris. O argumento é o básico, os serviços pioraram consideravelmente e ainda por cima viraram mais caros, por fim, a única solução foi estatizar novamente.

O mesmo aconteceu com Berlim, Budapeste, Bamako (Mali), Buenos Aires, Maputo (Moçambique) e La Paz. Todas tem consigo as mesmas respostas “problemas reincidentes”, “serviços inflacionados”, “ineficientes”, “não cumprem promessas feitas”, entre mil e uma questões.

É justamente para este caminho que segue o Brasil, sendo levado pela política de destruição nacional que levará, em plena pandemia, a falta de acesso a um recurso básico para milhões de brasileiros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas