Privatização de tudo: Bolsonaro vai entregar ferrovias, portos e todos os aeroportos aos capitalistas

32699018208_d0175a3eb2_o

Os cortesões da burguesia imperialista que usurparam o poder por meio da fraude eleitoral apressam-se agora em cumprir as suas determinações, como serviçais comprados que são, de seus senhores. No dia 02 de janeiro tomaram posse os ministros Tarcísio Gomes de Freitas, de Infraestrutura e Bento Albuquerque, de Minas e Energia. Os dois revelaram uma amplo programa de privatizações que deverá ser colocados em prática quase que imediatamente.

Freitas anunciou, em seu discurso de posse, editais  para a venda de 12 aeroportos em três blocos, além de rodovias, ferrovias e terminais portuários. Todos os aeroportos administrados pela Infraero, serão privatizados, os de Congonhas e Santos do Dumont ficarão para a última rodada. Segundo o ministro “tudo que possa ficar com a iniciativa privada será concedido”.

O hoje ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, empolgou ainda mais os capitalista internacionais do que seu colega ao comprometer-se com a privatização Eletrobrás, projeto que está hoje no Congresso. Também revelou que fará mudanças no regime de partilha do pré-sal para melhor atender os investidores estrangeiros.

Os anúncios do governo mostram bem a sua verdadeira natureza, dilapidar o patrimônio nacional em favor dos capitalistas. O governo da camarilha fascista de Jair Bolsonaro, cortesões do imperialismo, enfrenta uma contradição básica, tem que atender os interesses do imperialismo ao mesmo tempo em que os da burguesia nacional. Daí vemos: de lado a entrega de grande quantidade de riqueza nacional para o imperialismo e de outro um profundo ataque às condições de vida dos trabalhadores e da população em geral para atender demandas da burguesia nacional. O governo é a expressão de um complô de potências estrangeiras junto a traidores pátria para roubar os povo brasileiro.