Petróleo e gás em liquidação
O desmanche de um setor estratégico dos mais relevantes do Brasil é uma política do governo golpista de Bolsonaro para permitir o domínio de empresas imperialistas dentro do país
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
BAHIA 14/12/2017
Refinaria Landulpho Alves-Mataripe (RLAM), localizada no município de São Francisco do Conde.  
Sobrevoo em direção ao poço Candeias – 1  da Petrobrás. 
Foto: Saulo Cruz/MME
Refinaria Landulpho Alves-Mataripe (RLAM) em São Francisco do Conde-BA, 14/12/2017 | Saulo Cruz/MME

O governo de Bolsonaro irá permitir a infiltração e estabelecimento de um monopólio do setor privado sobre o setor do petróleo e gás no país por empresas privadas. É o que revela estudo do Departamento de Engenharia Industrial do Centro Técnico Científico da PUC-Rio.

Segundo os pesquisadores, foram analisadas seis das oito refinarias à venda pela Petrobras:

Refap (RS);

Repar (PR);

Regap (MG);

RLAM (BA);

RNEST (PE);

Reman (AM);

Um dos autores do estudo, o professor Márcio Thomé, pesquisador do Departamento de Engenharia Industrial da PUC-Rio, explica:

“Com exceção da Repar e da RNEST, nas outras refinarias estudadas, a gente entende que, por qualquer dos modais que a gente observa, a possibilidade de estabelecimento de monopólios regionais é elevada.”

Em outras palavras, a liquidação da cadeia produtiva do sistema Petrobras – iniciada desde o golpe de 2016 e aprofundada no governo Bolsonaro – e expressa nas privatizações, leilões, etc, resultará, como tem resultado, numa infiltração de empresas privadas, sobretudo estrangeiras, no mercado brasileiro.

Segundo o estudo, o mercado brasileiro possui hoje “19 refinarias de petróleo, 157 distribuidores de combustíveis líquidos e 40.990 postos, dos quais 17.862 de bandeira branca”. Ou seja, um grande setor a ser tirado totalmente das mãos do Estado para ser explorado pelo mercado.

É preciso denunciar que essa iniciativa vem de pelo menos 2016. Em 2018, o então presidente da Petrobras, Pedro Parente (indicado pelo golpista Temer) prometeu a ‘investidores’ a entrega de quatro refinarias.

Outro detalhe é o que os golpistas colocaram as privatizações no planejamento estratégico da empresa. “A busca de parcerias na área de refino foi aprovada no Planejamento Estratégico da Petrobras e no Plano de Negócios e Gestão (PNG) 2017-2021, reforçada no PNG 2018- 2022, conforme indicado na estratégia de ‘reduzir o risco da Petrobras, agregando valor na atuação em E&P, Refino, Transporte, Logística, Distribuição e Comercialização por meio de parcerias e desinvestimentos’”.

O desmanche de um setor estratégico dos mais relevantes do Brasil é uma política do governo golpista de Bolsonaro para permitir o domínio de empresas imperialistas dentro do País.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas