Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
twmwr_eletro
|

Na última terça-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que não irá votar a Medida Provisória (MP) relativa à venda da Eletrobras. Segundo o próprio Maia, o veto à votação se deve justamente ao fato de não haver voto suficiente para aprovar a privatização.

O golpe de Estado no Brasil foi financiado e planejado pelos monopólios internacionais, que estão interessados em explorar todo o patrimônio nacional a preço de banana. Nesse sentido, a venda da Eletrobras é parte do programa de devastação do imperialismo para a América Latina.

O fato de Rodrigo Maia ter dito que não iria votar a privatização da Petrobras não indica que o DEM estaria ao lado dos trabalhadores ou contrário aos interesses doa donos do golpe. Na verdade, Rodrigo Maia tem muito mais condições de atender às demandas do imperialismo do que o governo Temer.

Maia só decidiu não votar a MP porque o governo Temer é um governo extremamente fragilizado – um governo que definhou rapidamente e está tendo dificuldades para chegar vivo até o fim do ano. Por isso, Maia decidiu empurrar a venda da Eletrobras para depois das eleições.

Para conseguir barrar, de fato, a privatização da Eletrobras e das demais empresas nacionais, como a Petrobras, é necessário que os trabalhadores se mobilizem de maneira determinada contra os golpistas. Apenas uma mobilização gigantesca seria capaz de causar um impasse no Regime Político e forçar os golpistas a recuar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas