Mais um capítulo do golpe
O desmonte se aprofunda. Mais uma manobra vergonhosa, a privatização da Copel Telecom coloca sua controladora na mira dos golpistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
copel 2(1)
A privatização da Copel Telecom é mais um capítulo no golpe mortal à soberania do país. | "Foto: Reprodução".

A Privataria tucana já virou livro no país e, constitui fonte de métodos e desmonte a ensinar aos golpistas como matar um país. Agora, a privatização da Copel Telecom é mais um capítulo no golpe mortal à soberania do país.

Ou seja, mais uma manobra vergonhosa, a privatização da Copel Energia, sua controladora está na mira dos golpistas. Os impactos financeiros e de segurança (uma vez que mais de 33 mil quilômetros de cabos de Telecom serão entregues, bem como a rede de escolas, hospitais, universidades) a empresas multinacionais colocam em risco a Segurança do país.

Ao fatiar mais essa empresa repete-se a mesma manobra dos golpistas já realizada na privatização da Petrobras, da Caixa, dos Correios, etc. não menos importante, contudo, é preciso dizer já houve tentativas anteriores que ocorreram no Estado, sobretudo nos governos Jaime Lerner (PDT) e Beto Richa (PSDB) buscando o desmonte que agora se efetiva.

Diante disso, os empregados da Copel Telecom lançaram um manifesto contra a privatização da holding. O documento causou um terremoto no Paraná — e, especificamente dentro da companhia de internet.

Os empregados denunciam que a privatização da Copel Telecom está ocorrendo com “absoluta falta de transparência” perante a sociedade. Segundo o texto, a atual administração da Copel pretende já no mês de maio transferir os empregados da Copel Telecom para um do prédio atualmente ocupado pela BRF Brasil Foods S.A., na BR-277, saída para Ponta Grossa.

Assim, “Após isso”, continua o texto, “seguir-se-ia a segregação dos ativos das outras subsidiárias e, o que é extremamente grave, a desativação do Data Center da Copel Telecom da Rua Padre Agostinho, além da entrega de nossos dados para empresas de hosting multinacionais”.

Um verdadeiro desmonte. O manifesto dos empregados da Telecom denuncia também que os planos de “desinvestimentos” de ativos da Holding Copel têm sido elaborados e discutidos sem qualquer transparência no âmbito do Conselho de Administração, ou seja, ninguém sabe quais ativos serão vendidos, ou por quanto.

Acrescentam que, “Inclusive consta que um ex-integrante de operadora, como a Vivo, faz parte hoje do Conselho de Administração da Companhia, bem como que contas bancárias da Copel Telecom já teriam sido repassadas a bancos no Estado de São Paulo”.

Os privatistas trarão apenas uma registradora. Todo investimento pesado e de infraestrutura já está feito. As empresas do setor elétrico possuíam amplas redes de fibra óptica instaladas em linhas de transmissão de alta tensão, que cumpriam o papel de permitir a comunicação entre usinas, subestações e unidades administrativas das empresas.

Só a derrubada do governo de golpistas, a luta nas fábricas, nas ruas, o fora Bolsonaro, pode barrar o desmonte.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas