Prisao poilítica
A presai arbitrária de Crivela é um chute a um cachorro morto e configura uma luta entre a direita “civilizada” e o bolsonarismo, representando cada qual um setor da burguesia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Crivella
Crivella, o golpeado | Foto: Reprodução

Marcelo Crivella, prefeito em exercício do Rio de Janeiro, capital do estado, foi preso na manhã desta terça-feira (22/12), faltando nove dias para encerrar seu mandato, já que o bolsonarista perdeu as eleições fraudulentas deste ano para o candidato do DEM, Eduardo Paes. A prisão foi efetuada pela Polícia Federal e Crivella foi afastado do cargo pela justiça golpista, o que é uma arbitrariedade total. O prefeito do bolsonarismo denuncia a prisão como uma prisão política.

No momento da prisão, estavam presentes cinco agentes da Polícia Civil e da Polícia Federal. Os agentes chegaram na casa do prefeito antes das 6 horas da manhã, um horário conhecidamente lavajatista de se efetuar uma prisão. A defesa de Crivella entrou com habeas corpus na própria terça-feira, e considerou a prisao ilegal. Crivella foi levado para a Delegacia Fazendária, na Zona Norte da cidade, e participou de um teatro, que o Judiciário chamou de “audiência de custódia”, com a desembargadora Rosa Helena Penna Macedo Guida, que decretou sua prisão, baseado em uma operação chamada de “QG da Propina; novamente, uma prisão com base na “luta contra a corrupção”.

O Republicanos, partido de Crivella, no mesmo dia saiu em defesa do prefeito eleito pelo partido. Em nota, o partido diz, com assinatura do presidente do partido, deputado Marcos Pereira: “A Executiva Nacional do Republicanos aguarda detalhes e os desdobramentos da prisão do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. O partido acredita na idoneidade de Crivella e vê com grande preocupação a judicialização da política”. Isto é, o partido de Crivella vai na mesma direção do próprio e denuncia o caráter de perseguição política da prisão. O partido é uma sigla que agrupa o bolsonarismo, chegando a ter Flávio e Eduardo Bolsonaro, ambos filhos do presidente ilegítimo, sendo eleitos para cargos públicos pela sigla.

Fica evidente, pelos dados que temos, que se trata de uma prisão política o que acontece nesses dias no Rio de Janeiro. O estado é marcado há muito tempo, e isso se aprofundou drasticamente, por uma luta política intensa entre duas alas da burguesia que se configuram em uma verdadeira guerra de quadrilhas. E os exemplos dessa luta que se trava no interior do Estado, principalmente na capital, neste último período.

O último caso escandaloso foi o que aconteceu com o ex-governador Wilson Witzel, um antigo aliado de Bolsonaro. Witzel foi derrubado por um golpe de Bolsonaro, após se mostrar um aliado não muito confiável. Com um processo fraudulento, dizendo o o ex-governador nazista havia desviado verbas para o “combate ao coronavírus”. Rapidamente Witzel se via fora do governo para colocar no seu lugar um governo mais confiável para o bolsonarismo. E essa operação mostrou que o bolsonarismo estava não só disposto a entrar nessa luta, como fez uma ofensiva com essa operação, que preparou o clima das eleições precedentes. Agora na eleição municipal vimos novamente uma guerra de foices no escuro, entre Crivella, representando o bolsonarismo, e Eduardo Paes, representante da direita tradicional, que foi uma eleição ganhada na base da fraude completa e total. E agora prisão de Crivella. É relativamente fácil caracterizar que é uma derrota do bolsonarismo, seguida da já derrota que foi a perda da eleição, a incapacidade de fraudar mais que o DEM uma eleição.

Toda essa confusão e arbitrariedade se dá entre a luta de duas alas da burguesia. Uma burguesia regional, carioca, que se apoia no Bolsonaro e no bolsonarismo e uma burguesia de dimensão nacional mais ligada ao imperialismo e apoiada na direita tradicional, como Paes e o DEM e a Rede Globo. Desde 2016, nas eleições que Crivella se viu vitorioso, contra o candidato mais direitista do PSOL, Eduardo Freixo, que é um tradicional aliado da Rede Globo. 

A esquerda agora comete o grosseiro erro de comemorar, junto à ala da burguesia mais pró-imperialista e neoliberal, a prisão de um cachorro morto na política. Com destaque à fala de Orlando Silva, do PCdoB: “Marcelo Crivella acaba de ser preso. Parece que o pé frio do Bolsonaro vai além das urnas. Marcelo Freixo também comemorou, dizendo: “O deputado bolsonarista Luiz Lima acaba de chamar Crivella, candidato de Jair Bolsonaro a prefeito do Rio, de mau gestor, corrupto e chefe de quadrilha. Pela primeira vez concordo com Luiz. A diferença é que ele se surpreendeu com o apoio de Bolsonaro a um bandido, e eu não.” E concluindo: “Witzel, Crivella… qual será a próximo aposta eleitoral de Jair que vai para cadeia?”. Até o deputado Paulo Pimenta do PT saiu a tona para comemorar. Dizendo: “Eu estou feliz? Eu estou satisfeito em vez mais um “mito” sendo desmoralizado? O que eu vou dizer pra voces?”

A esquerda volta ao erro de ficar eufórica e comemorar uma prisão arbitrária e dar legitimidade a um recrudescimento do regime político golpista, dessa vez com a direita “civilizada” chutando um cachorro morto da política.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas