Volta às aulas
De acordo com chefe de Educação da Unicef no Brasil, volta às aulas deve ser a prioridade para 2021
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
volta-as-aulas-sala-de-aula-brasil-1593010549215_v2_1183x887
Preocupação da Unicef é a de “reabrir o mais rápido possível e de forma segura as escolas" | Foto: Reprodução

Após nove meses com as escolas fechadas por conta da pandemia do coronavírus, a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), defende que a prioridade para 2021 é a volta às aulas. De acordo com Ítalo Dutra, chefe de Educação do Unicef no Brasil, a preocupação é a de “reabrir o mais rápido possível e de forma segura as escolas”.

A campanha da burguesia pela volta às aulas segue a pleno vapor, mesmo com as baixíssimas perspectivas de melhora em relação ao controle da pandemia e com uma falsa esperança de que 2021 seja o ano da vacinação. Além disso, a declaração de Dutra contrasta com um relatório publicado em agosto pela própria Unicef, onde aponta que 16 milhões dos estudantes brasileiros não tinham acesso a água e sabão para lavar as mãos em suas escolas.

A Unicef, assim como várias outras organizações que atuam em defesa dos interesses do imperialismo, tentam fazer uma defesa farsesca de que estariam preocupados com a saúde mental dos alunos, com o fato de eles não conseguirem ter acesso às aulas a distância e até mesmo com abuso infantil por parte dos pais e familiares. Na verdade, os capitalistas e as instituições que propagandeiam a volta às aulas estão preocupados com a perda de 1,5% do PIB mundial, de acordo com previsão da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico,) outro órgão imperialista.

Essa política do imperialismo é abraçada também pelos ditos governadores “científicos” do país, como João Doria, que agora faz uma campanha eleitoral própria a partir da vacinação que deve iniciar em São Paulo no ano de 2021. Sabemos que a vacinação não será uma realidade para a maioria da população e que sua eficácia é contestável.

Tal como Doria, a burguesia quer fazer acreditar que com uma vacinação minúscula e sem nenhum preparo sério para contenção da pandemia as aulas poderiam finalmente voltar. Mais ainda, defendem a farsa de que é possível voltar às aulas em segurança, com distanciamento ou o que quer que seja, como já vem fazendo há meses.

A consequência natural para essa política é o genocídio da população pobre tendo os jovens como principais alvos e a mesma deve ser combatida com mobilizações nacionais da juventude pela suspensão das aulas até o fim da pandemia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas