Dia de luta dos trabalhadores
O dia é de luta internacional contra a burguesia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
IMG_8093
Foto: Diário Causa Operária |

O primeiro de maio classista do PCO foi a contraposição fundamental ao primeiro de maio virtual, que não é um verdadeiro ato, com bandidos políticos promovido pela CUT, o PT e outras centrais sindicais. Enquanto um setor importante da esquerda reformista chama a união com golpistas de “solidariedade”, o PCO deu voz aos setores avançados da política nacional, denunciando a Frente Ampla e chamando a esquerda a boicotar a atividade. O ato classista e presencial, mostrou que é possível desenvolver a luta dos trabalhadores em total oposição a burguesia. Mais que isso provou ser essa a única maneira de luta. 

Enquanto a esquerda dava a mão ao Fernando Henrique Cardoso no “1 de maio unificado” , Bolsonaro convoca mais um ato da extrema-direita contra o STF e o  #golpedeestado se tornou trending topics do twitter em resposta ao chamado de Carlos Bolsonaro para o ataque ao stf, Congresso e governadores. O julgamento do processo contra o Lula está marcado para a próxima terça-feira (5), e o processo de cancelamento da inscrição partidária do PT foi arrolado pela procuradoria geral eleitoral. Mesmo assim, a esquerda chama de “histórico” a união de políticos de polos opostos num mesmo palanque (mesmo que virtual), na luta por uma suposta “democracia”. 

Os R$53bi em pastas do governo concedidas pelo próprio Bolsonaro a setores do centrão, desmascaram o real caráter da “luta pela democracia”. Entre os favorecidos, Paulinho da Força, Valdemar Costa Neto e Roberto Jefferson. Os líderes do centrão tão adorado pela esquerda pequeno-burguesa, portanto, colocam em questão as suas próprias intenções com a aliança com os golpistas e um “fora Bolsonaro pelas mãos da burguesia”.

Em meio a crise total, a pandemia carrega consigo o aprofundamento da crise econômica. Os capitalistas, portanto, brigam pela própria sobrevivência, enquanto à população mundial é colocada a alternativa mortal entre a fome e a doença. A partir dessa contradição, a crise da política tradicional impõe a polarização entre esquerda e direita. Nessa situação, as saídas tradicionais da burguesia são a frente ampla ou o fascismo. Para a esquerda, a revolução social. Os reformistas, como no caso brasileiro, agarram-se a esforços espúrios para o salvamento das instituições burguesas, cruzada essa – pela própria crise histórica do capitalismo – fadada ao fracasso. 

No ato do PCO, pronunciaram-se representantes dos comitês de luta contra o golpe, dos conselhos populares, da juventude, dos negros, das mulheres e do movimento operário. Em todas as falas, a concordância fundamental se figurava na seguinte frase: é preciso mobilizar, é preciso lutar, é preciso combater a classe capitalista. A fala final, do presidente nacional do partido, Rui Costa Pimenta, deixou patente a saída de lutas para a população: “nós lutamos pelo socialismo”. Os ganhos imediatos da população devem vir da sua própria organização independente que desenvolva a desconfiança em relação a burguesia, a fim de exterminá-la como classe. Essa é a saída para a crise. Essa é a conclusão que se deve tirar do Primeiro de Maio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas