Social-democracia
Reino Unido, EUA e Brasil: a esquerda reformista só coleciona derrotas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
49017933728_0a958d6103_k (1)
Jeremy Corbyn. Foto: Jeremy Corbyn Portraits |

Repetindo o que ocorreu em 2016, quando Bernie Sanders desistiu de ser o candidato do Partido Democrata à presidência dos EUA, favorecendo a candidatura preferida de Wall Street, Hillary Clinton, no dia 08 de abril deste ano o mesmo Sanders cedeu lugar a Joe Biden, que foi vice-presidente de Barack Obama.

A situação parece a mesma, mas agora é muito mais trágica, pois estamos apenas no início da maior crise da história do capitalismo, agravada pela pandemia global do coronavírus. Ou seja, se o capitalismo já agonizava sem a pandemia, imaginem com ela, quando todos os sistemas de saúde dos países capitalistas entram em colapso, não poupando nem mesmo o país mais rico do mundo, os Estados Unidos da América.

O que vemos hoje é uma crise global de dimensões catastróficas, e que expõe de forma violenta, dia após dia, a estupidez que é manter esse modo de produção capitalista vivo, mesmo que como um morto-vivo.

Nesse contexto, quando a classe trabalhadora norte-americana – e mundial! – vislumbra os mais terríveis dias, um candidato a presidente que colocasse em prática políticas sociais de proteção, que criasse pra valer um sistema público de saúde universal – os milhões de desempregados nos EUA das últimas semanas ficarão, na sua maioria, sem saúde alguma – em meio à pandemia, teria grandes chances de ganhar a eleição ou de pelo menos mobilizar os explorados norte-americanos para as lutas do próximo período.

A pandemia do coronavírus, agravando o colapso econômico, criou uma situação de grande imprevisibilidade para as eleições norte-americanas deste ano e, mesmo que fosse matematicamente impossível – como disse Sanders no momento da renúncia – vencer as eleições, isso não justifica que se dê o aval para um candidato pró-imperialista como é Joe Biden.

A mesma derrota vemos no outro lado do oceano Atlântico. Jeremy Corbyn, outro autodeclarado socialista democrático – social-democrata, na verdade – perdeu a liderança do Partido Trabalhista britânico para o direitista Keir Starmer no dia 04 de abril.

Antes disso, no fim de 2019, os trabalhistas tiveram uma das maiores derrotas eleitorais de sua história, chegando inclusive a perder para os conservadores de Boris Johnson em locais que sempre apoiaram os trabalhistas.

Tanto as duas renúncias de Sanders como a política de Corbyn do ano passado revelam a mesma coisa: o fracasso da esquerda reformista.

A grande característica desse tipo de esquerda, que pode ser chamada também de social-democrata, é não ser verdadeiramente revolucionária. Parece óbvio mencionar isso, mas é exatamente esse o ponto principal: por não serem revolucionários, esses reformistas acabam sendo derrotados quando a crise se torna mais aguda, que é justamente quando a luta de classes fica mais acirrada e o ódio ao regime vigente se torna cada vez mais presente nas suas bases. É nesse momento em que aumenta a distância entre a liderança reformista – que se direciona para a direita – e a sua base – que vai para a esquerda – que ocorrem as grandes derrotas da esquerda reformista.

Os exemplos recentes não são poucos…

Em 2016, a desistência de Sanders para ajudar a candidatura com supostamente maiores chances de derrotar Trump, a de Hillary Clinton, acabou não dando resultado. Muitos eleitores de Sanders acabaram votando em Trump porque identificavam Clinton com Wall Street, enquanto Trump parecia um candidato fora do sistema. O verdadeiro disso tudo é que Hillary Clinton de fato era a candidata da parcela mais poderosa da burguesia mais poderosa do planeta, mas isso não coloca Trump como seu autêntico opositor.

Em 2020, quando o povo norte-americano já percebe cada vez mais que Trump nunca foi nem será alguém em quem possam confiar, Sanders acaba ajudando Joe Biden. Não é possível dizer se Biden será derrotado por Trump, mas tem aumentando o número de eleitores de Sanders que começam a dizer: “Biden nunca”.

Essa reação de eleitores que votariam em Bernie Sanders migrarem para Trump pode parecer estranha, mas é exatamente esse o recado que Bernie Sanders está dando. Ora, se o candidato da esquerda dá aval para políticas de direita, nada mais lógico que votar diretamente na direita que assume que é de direita.

Foi isso o que levou Jeremy Corbyn e o Partido Trabalhista à escandalosa derrota nas eleições do fim do ano passado. Foi o resultado de apoiar a posição da direita anti-Brexit e abandonar a política de defesa intransigente dos trabalhadores, o que acabaria levando provavelmente a uma saída da União Européia de uma forma diferente da que foi conduzida pela extrema-direita de Boris Johnson. A base de Corbyn era pró-Brexit e ele se afastou dela. Outro fato que evidencia essa tentativa de agradar uma parte da burguesia é a recusa de Corbyn em ir contra a tese sionista e abraçada pela esquerda reformista de que quem defende a Palestina e é contra o genocídio cometido pelo Estado de Israel é antissemita. Corbyn não teve a coragem de nem mesmo se defender de verdade e acabou carregando o adjetivo de antissemita até hoje.

Seguindo a mesma linha de querer ser aceito pela direita, Bernie Sanders tratou do assassinato do general iraniano Soleimani pelos EUA como algo que apenas elevaria as tensões no Oriente Médio e não como o que é: um ato de terrorismo típico do imperialismo norte-americano.

No Brasil, temos a decisão do PT de abandonar a candidatura Lula e lançar Fernando Haddad em 2018. Isso significou a aceitação do processo eleitoral fraudulento, e ainda lançando um candidato da ala direita do PT. A alta popularidade de Lula mostra o quanto a narrativa golpista de que Lula era um criminoso não foi aceita pelas massas como a burguesia esperava. Sua candidatura tinha imenso potencial de levar a uma mobilização imensa contra o golpe do Estado, mesmo que não tivesse ganho as eleições. Se tivesse ganho, muita coisa poderia ocorrer: sob forte pressão popular, os processos poderiam ter sido anulados e ele tomaria posse. Mas isso é apenas suposição. O certo é que se Bolsonaro tomou posse sem popularidade, imaginem com Lula candidato até o fim: Bolsonaro, que já está por um fio nos dias hoje, provavelmente já teria sido derrubado. Isso mostra que apostar na candidatura de Lula até o fim teria tido um efeito prático, e que seria sentido hoje.

A conclusão é que a política da esquerda reformista pode até aparentar ser mais realista, mas, devido ao avanço da crise do capitalismo, acaba sempre levando a derrotas cada vez maiores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas