Genocídio declarado
O Ministério da Saúde propõe intervir para conter o aumento dos casos de coronavírus somente quando já houver milhares de mortos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
(Brasília - DF, 27/04/2020) Coletiva de imprensa com Ministro da Saúde, Nelson Teich..Fotos: José Dias/PR
General Eduardo Pazuello, interventor na saúde tutelado por Bolsonaro | Foto: "Reprodução"

Pode parecer surpreendente, mas em se tratando do governo de extrema direita, genocida e fascista que se instalou no País como resultado do golpe de Estado, nada parece mais surpreender. É o que se vê neste momento – e em muitos outros nesses quase dois anos de (des)governo Bolsonaro – no que diz respeito à problemática da pandemia do coronavírus no Brasil. 

Em meio aos sinais evidentes de que uma nova onda de casos de infecção e mortes bate às portas do país, como apontam e prognosticam todos os mais renomados especialistas, o Ministério da Saúde, tutelado pelo Palácio do Planalto e comandado por generais sem qualquer conhecimento de saúde pública, afirmou que ainda não é hora de adotar medidas e que o alerta somente será disparado quando houver alta consistente no número de mortes

Não se surpreendam, pois é isso mesmo. O Órgão nacional responsável pela estratégia de combate à pandemia no país – pelo menos é isso o que se espera do Ministério da Saúde – declarou, com todas as letras, sem meias palavras, que irá esperar pela  morte de mais brasileiros para “disparar o alerta” e daí entrar em ação, agir; se for o caso, obviamente, pois a julgar pelo que fez (ou melhor, pelo que não fez) não devemos esperar muita coisa do general e dos demais representantes da burocracia fardada que se encontram encastelados na pasta da saúde. 

Enquanto o Ministério da Saúde aguarda impassível a morte de mais algumas centenas, talvez milhares de brasileiros, o sinal de alerta já soou entre a comunidade científica do país. Os especialistas apontam que a decisão da cúpula que dirige o Ministério está na via oposta do que há de mais elementar no que tange a uma estratégia eficaz de medidas para se antecipar a uma iminente e quase inevitável “segunda onda” de infecção no país. Secretários estaduais e municipais de saúde exigem reforço na estratégia de testes, pedindo ainda que o custeio de leitos para o tratamento de pacientes seja garantido. A preocupação diz respeito ao fato de que não há previsão de recurso extra para o financiamento do combate à pandemia.

Para se ter uma ideia da completa negligência da pasta comandado pelo general Pazuello em relação à pandemia, a meta inicial consistia na realização de 24,2 milhões de testes PCR pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esta meta – já muito tímida – foi completamente abandonada, pois somente foram realizados 4,8 milhões destes exames, o que corresponde a somente 20% do que estava previsto.  

Para os estudiosos da matéria, a estratégia do Ministério pode gerar um descontrole ainda maior da pandemia no Brasil. “Será uma ação tardia, se deixar para agir após o aumento de óbitos. Este é o último dado que vai registrar alta. São semanas até se traduzir em aumento nos óbitos”, afirmou Marcelo Gomes, pesquisador da Fiocruz e coordenador da plataforma InfoGripe (Estadão, 19/11). Outra declaração partiu de Carlos Lula, presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Ele afirma que “a Europa já vive sua segunda onda. É questão de tempo ela chegar ao Brasil” (Idem, 19/11).

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas