“Primeira-dama pé no barro”, Boulos é o candidato da Folha de S. Paulo

natalia

“Semblante sóbrio, olho no olho. Natalia Szermeta, coordenadora das cerca de 55 mil famílias do Movimento de Trabalhadores Sem Teto (MTST), o maior de luta por moradia urbana do país, espalhado em 13 Estados brasileiros, não é do tipo que hesita ou busca respostas no ar. A voz é firme, as palavras saem sem tropeços – ainda que encadeadas por aquele ritmo típico das assembleias de militantes de esquerda”.

A descrição, quase que poética, se refere à mulher de Guilherme Boulos, pré-candidato do PSOL à Presidência da República. O que chama a atenção é que o trecho não é parte da biografia de Boulos, nem do site do MTST: é um artigo escrito pelo portal Universa, da Folha de S. Paulo.

A Folha de S. Paulo é um jornal que pertence, desde sua origem, à burguesia. Desde sua concepção, o jornal tem estado a serviço dos interesses mais nefastos contra os trabalhadores. Mais recentemente, cumpriu um papel fundamental na defesa do golpe de Estado contra a presidente Dilma Rousseff. Desse modo, um candidato de esquerda ser promovido pela Folha de S. Paulo é, no mínimo, estranho.

No caso da mulher de Boulos, um artigo que lhe chama de “primeira-dama pé no barro”, que ressalta seu cotidiano “combativo” e que apresenta detalhes até mesmo da vida de casal que levam Boulos e Szermeta, não é, exatamente, “estranho”. Afinal, os donos da Folha de S. Paulo são os mesmos que determinaram a prisão de Lula e que tentam, a todo custo, impulsionar candidaturas que implodam a candidatura do maior líder popular do país.

Assim, se Boulos está servindo para que a população se distraia e esqueça que, em um prédio na cidade de Curitiba, está sendo torturado o maior líder popular do país, o líder do MTST é muito bem-vindo aos sites da Folha de S. Paulo. Na verdade, o PSOL já está bastante acostumado a esse tratamento especial: em 2006, lançou uma candidata à Presidência da República que era a líder de um movimento reacionário contra o direito de aborto; em 2016, lançou um candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro que defende as UPPs. Em todas as ocasiões, a imprensa burguesa abriu as portas para que o “solzinho” fizesse o seu show.