Pretexto farsesco para a invasão: Anistia Internacional acusa Venezuela de milhares de execuções

naom_51648cfa6a32b

A Venezuela, país que sofre constante repressão do imperialismo e que está sobre a ameaça de uma intervenção militar sofreu, nesta última semana, mais um ataque. Dessa vez foi a divulgação de um relatório fraudulento da Anistia Internacional, no último dia 20, que acusa o governo por milhares de execuções.

Segundo a ONG de “direitos humanos”, a Venezuela é acusada por assassinar 8.292 pessoas, entre 2015 e 2017, sendo os índices mais altos em 2016: 4.667 mortes. No relatório eles colocam que a maior parte dos supostos óbitos eram país de família, acusando, ainda, dos assassinatos terem ocorrido em frente a parentes dos indivíduos.

A Venezuela é um dos países que mais vem sofrendo repressão do imperialismo, sendo inclusive ameaçado constantemente de uma invasão militar, isso sem falar dos boicotes econômicos e da campanha difamatória, que vem sofrendo em nível internacional.

E relatórios fraudados, como este, fazem parte dessa campanha. A Anistia Internacional é um órgão controlado pelo imperialismo norte-americano, cuja principal missão é produzir informes acusando países que contradizem o domínio imperialista de “violadores dos direitos humanos”. Ao mesmo tempo, a suposta ONG também divulga relatórios mostrando abusos em países aliados do imperialismo, mas com pouca relevância internacional ou que não sofrerão consequências significativas por parte da imprensa ou de organismos internacionais como a ONU, como é o caso da Arábia Saudita ou do Egito. Isso serve apenas para que a Anistia Internacional goze de uma falsa reputação de imparcialidade.

No caso específico desse relatório, é notória a manipulação para pressionar a opinião pública venezuelana e internacional contra o governo de Nicolás Maduro, como um dos recursos que o imperialismo costuma utilizar para preparar o terreno para uma invasão militar, como em diversas vezes ocorreu contra países vítimas da intervenção imperialista (Iugoslávia, Iraque, Líbia e Síria, por exemplo). O roteiro é sempre o mesmo: acusar exaustivamente um governo que se quer derrubar de ter cometido todos os tipos de atrocidades contra seu próprio povo, para que seja mais palatável uma invasão militar, na qual, mesmo com a destruição do país em questão, o imperialismo pode utilizar a desculpa de ter cometido tais barbaridades para “salvar” o povo daquele país da “tirania”.

Fica ainda mais clara a manipulação da campanha contra a Venezuela ao repararmos que todos esses relatórios são produzidos utilizando como fontes somente a oposição ao governo. Não são consultados movimentos sociais, não é consultada a população do país, não são utilizadas as informações oficiais, não se faz uma investigação de campo para comprovar a veracidade das denúncias. A Anistia Internacional, bem como outras supostas ONGs imperialistas, utiliza apenas informações distorcidas, falas, manipuladas e não apuradas da imprensa golpista nacional e internacional, dos partidos da oposição, de outras ONGs financiadas pelo imperialismo (e na Venezuela há dezenas delas). Ou seja, fabrica-se informações falsas que são divulgadas por uma ONG com prestígio internacional para dar a impressão de veracidade, a fim de convencer amplas parcelas da população, de organismos internacionais e de personalidades para justificar uma ataque brutal contra determinado país, neste caso a Venezuela.

Em um momento como esse, na qual diversos países da América Latina vêm sofrendo golpes, orquestrados pelo imperialismo, é preciso declarar total apoio ao governo venezuelano. É perceptível que em países onde os golpistas tomaram o poder, a situação é incomparavelmente mais alarmante. No Brasil, por exemplo, foram, só em 2017, 59.103 homicídios registrados pelo Monitor de Violência, que avalia os casos em nível nacional. Isso não merece destaque na imprensa burguesa, uma vez que o governo golpista brasileiro foi imposto justamente pelo imperialismo para acabar com todos os direitos da população.

Agora, em um país onde a população conquistou e vem mantendo importantes direitos democráticos e cujo governo vem sofrendo todo o tipo de pressão para renunciar e acabar com os direitos da população, a campanha difamatória é gigantesca.

Todo apoio a Venezuela e a Nicolás Maduro. Fora imperialismo da América Latina!